Atletas russos e COI: quase dois anos de diplomacia olímpica

O Comitê Olímpico Internacional (COI) autorizou nesta sexta-feira (8) atletas russos e bielorrussos a participarem, sob bandeira neutra e sob condições estritas, dos Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, depois de terem sido excluídos do esporte internacional após a invasão russa da Ucrânia.

A seguir, um retrospecto de dois anos de diplomacia olímpica. 

FEVEREIRO DE 2022, UMA EXCLUSÃO CONTUNDENTE

Logo após o início da guerra, o COI tomou uma decisão esportiva de grande alcance ao excluir russos e bielorrussos das competições em todo o mundo. Uma decisão justificada não apenas como sanção, mas para sua proteção.

Poucos dias depois, os Jogos Paralímpicos de Inverno de Pequim foram afetados pela guerra e o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) deu uma reviravolta em 24 horas: após ter autorizado os russos sob bandeira neutra, os excluiu diante da pressão e das ameaças de boicote de outros países. Os bielorrussos também foram afastados.

. FIM DE 2022, A PORTA FICA ENTREABERTA

No final de 2022, enquanto os processos de classificação para os Jogos Olímpicos de Paris começavam em algumas modalidades, o COI queria explorar "meios" de devolver russos e bielorrussos ao centro do esporte mundial. Os Estados Unidos deram sinal verde se participassem sob uma "bandeira neutra". A ideia é que "eles não apoiaram ativamente a guerra na Ucrânia". 

No início de 2023, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, insistiu diante de seu homólogo francês, Emmanuel Macron: "Os atletas russos não devem ter lugar nos Jogos Olímpicos de Paris". Ele então acusou o COI de ser um "promotor de guerra". A Polônia e os países bálticos (Lituânia, Letônia, Estônia) mostraram a sua irritação e ameaçaram um boicote.

Na França, a prefeita socialista de Paris, cidade anfitriã dos Jogos Olímpicos, Anne Hidalgo, se opôs à participação enquanto durasse a guerra. Macron afirmou que se pronunciaria no verão de 2023.

. MARÇO DE 2023, A VOLTA

Quase um ano após o início da guerra, a esgrima se tornou o primeiro esporte olímpico a reintegrar os russos, embora não sem consequências (cancelamentos de torneios, protestos...).

Continua após a publicidade

Em 28 de março de 2023, o COI se pronunciou de forma oficial: o retorno de russos e bielorrussos é permitido em competições internacionais sob bandeira neutra, desde que "não tenham apoiado ativamente a guerra na Ucrânia", para os atletas "a título individual", e que não estejam "sob contrato" com o exército ou agências de segurança de nenhum dos países.

"Condições inaceitáveis e discriminatórias", reagiu o Comitê Olímpico russo. "Um dia de vergonha" para o COI, disse Piotr Wawrzyk, vice-ministro polonês de Negócios Estrangeiros.

Mas para os Jogos de Paris teremos que esperar. O COI decidirá "no momento apropriado".

Aos poucos, as federações internacionais foram reintegrando os russos, por caminhos diferentes, com a notável exceção da Federação Internacional de Atletismo, um dos principais esportes olímpicos.

. SINAL VERDE UCRANIANO

Contra todos os prognósticos, no início do Mundial de Esgrima, em julho, a Ucrânia autorizou seus atletas a enfrentarem os russos sob bandeira neutra e em caráter individual. A perspectiva de um boicote às Olimpíadas por parte da Ucrânia diminuiu. Durante esses campeonatos, uma atleta de esgrima ucraniana, Olga Jarlán, foi desclassificada por se recusar a apertar a mão de sua adversária russa, Anna Smirnova. Por isso, recebeu do COI um convite para os Jogos Olímpicos de Paris.

Continua após a publicidade

Já a Rússia indicou que não boicotará os Jogos de Paris.

. COMITÊ PARALÍMPICO REABRE AS PORTAS

No final de setembro, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) votou a favor da participação sob bandeira neutra e com condições estritas de neutralidade nos Jogos Paralímpicos de 2024 (28 de agosto a 8 de setembro).

. SUSPENSÃO DO COMITÊ OLÍMPICO RUSSO

O COI suspendeu o Comitê Olímpico Nacional russo no dia 12 de outubro "com efeito imediato" por ter colocado quatro organizações regionais ucranianas sob a sua autoridade. Mas, segundo o COI, esta decisão não tem consequências na eventual presença de atletas russos sob bandeira neutra nos Jogos Olímpicos de Paris.

. COI AUTORIZA RUSSOS E BIELORRUSSOS SOB BANDEIRA NEUTRA

Em 8 de dezembro, o COI autorizou atletas russos e bielorrussos a participarem sob bandeira neutra nos Jogos Olímpicos de 2024, excluindo eventos coletivos, e desde que não tenham apoiado ativamente a invasão russa da Ucrânia. 

Continua após a publicidade

Dois dias antes, as federações internacionais e os comitês olímpicos nacionais haviam exigido a admissão "o mais rapidamente possível" dos atletas russos e bielorrussos aos Jogos de Paris, também sob bandeira neutra.

dec-bur/bde/cyj/iga/dam/eg/aam

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora