Líder da extrema direita Le Pen enfrentará julgamento por peculato na França em 2024

A Justiça francesa decidiu, nesta sexta-feira (8), julgar em 2024 a líder da extrema direita Marine Le Pen, seu partido Reagrupamento Nacional (RN) e outras 26 pessoas por supostamente desviarem fundos públicos europeus entre 2004 e 2016, indicou o Ministério Público.

Os magistrados suspeitam que o partido aplicou de "forma concertada e deliberada" um "sistema de desvio" de 21 mil euros (US$ 22,5 mil ou R$ 112 mil na cotação atual) mensais que seriam utilizados para eurodeputados pagarem seus assistentes parlamentares.

No entanto, segundo a investigação, estes funcionários teria trabalhado apenas parcialmente ou exclusivamente para o partido, o que haveria economizado quantias significativas de dinheiro.

O Parlamento Europeu estimou o prejuízo em 6,8 bilhões de euros (R$ 36 bilhões) entre 2009 e 2017.

"Esta decisão infelizmente não nos surpreende", afirmou em um comunicado Rodolphe Bosselut, advogado de Le Pen, que sempre negou ter cometido qualquer infração.

A Justiça francesa realizará em 27 de março uma primeira audiência para organizar o julgamento, que acontecerá em outubro e novembro de 2024, informou o MP de Paris.

Junto à líder da extrema direita, também estará no banco dos réus seu pai, Jean-Marie Le Pen, fundador do Frente Nacional (renomeado RN), o prefeito de Perpignan (sul), Louis Aliot, e o porta-voz do partido, Julien Odoul, entre outros.

Ao todo, 11 dos acusados foram eurodeputados, 12 trabalharam como assistentes parlamentares e quatro foram colaboradores da extrema direita, além da própria formação como pessoal moral.

O julgamento acontecerá meses após as eleições para o Parlamento Europeu. O partido de Le Pen lidera as pequisas eleitorais na França.

Continua após a publicidade

mk-gd/tjc/eg/yr/aa

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes