EUA vive o inverno mais quente já registrado

Os Estados Unidos, segundo maior emissor mundial de gases de efeito estufa, acabaram de viver o inverno mais quente já registrado, segundo dados oficiais divulgados nesta sexta-feira (8).

A média de temperatura durante o inverno nos 48 estados do território continental dos Estados Unidos entre dezembro e fevereiro foi de 3,1° C, ou seja, 3°C acima da média, "tornado-se o inverno mais quente já registrado", revelou a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA). 

Oito estados ao longo da região superior do meio oeste, os Grandes Lagos e o nordeste viveram cada um seu inverno mais quente, enquanto as temperaturas no Golfo do México ficaram perto da média. 

O "calor persistente" provocou uma "diminuição contínua da camada de gelo" nos Grandes Lagos, no norte dos EUA, atingindo o nível mais baixo da história em fevereiro, destacou a NOOA.

No Texas, o incêndio chamado Smokehouse Creek, considerado o maior na história deste estado do sul e que se estendeu até o oeste de Oklahoma, começou em fevereiro e destruiu mais de 430.000 hectares.

Outros eventos importantes incluíram padrões atmosféricos incomuns que trouxeram fortes chuvas e nevascas para algumas áreas do oeste e causaram fortes ventos, inundações, deslizamentos e cortes de energia em algumas partes da Califórnia. 

"A cidade de Los Angeles recebeu mais de 300 mm de chuvas em fevereiro, aproximadamente três vezes mais que a média, tornando-se o mês de fevereiro mais chuvoso em décadas na cidade", acrescentou o comunicado. 

Em seu discurso do Estado da União, na noite de quinta-feira, o presidente Joe Biden referiu-se ao aquecimento global como uma "crise climática", distanciando-se da denominação "mudança climática". 

"Vejo um futuro em que salvamos o planeta da crise climática", disse o mandatário ao mencionar que, em sua gestão, assinou uma lei relacionada à infraestrutura climática.  

Continua após a publicidade

O mês passado foi classificado como o terceiro fevereiro mais quente dos Estados Unidos em 130 anos, desde o início dos registros, informou a Noaa.

la/rle/mar/dg/nn/mar/ms/mvv/dd 

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes