Sob críticas, prefeitura do Rio passa a administrar Hospital Rocha Faria

Adotada para melhorar a gestão de dois hospitais estaduais de urgência e emergência, em crise por falta de recursos, a municipalização, que avança hoje (11) com a entrega das chaves do Hospital Rocha Faria, em Realengo, à prefeitura do Rio de Janeiro, encontra resistência. O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a Defensoria Pública cobram informações que justifiquem a escolha do Rocha Faria e do Albert Schweitzer - e não de outros - e como será a partir de agora. As unidades atendem 10 mil pacientes por dia em uma das áreas mais populosas da cidade.

Profissionais de saúde e parlamentares alegam que a medida foi tomada sem critérios claros e sem transparência. Segundo o vereador Paulo Pinheiro (PSOL), a transferência da gestão à prefeitura de hospitais de urgência, conforme orienta o Ministério da Saúde, era desejada, mas desde que planejada para melhorar as unidades mais precárias.

"A municipalização precisa ter recursos e ser detalhada tecnicamente. Aliás, nesta crise, quem precisava ser municipalizado e estava em piores condições era o Getúlio Vargas, na Penha - que deveria ser o primeiro, depois o Carlos Chagas, seguindo a Avenida Brasil", afirmou.

Da Comissão de Saúde, o vereador chama a atenção para a ausência de uma discussão aberta sobre o modelo de gestão, já que a Secretaria de Saúde cogitou entregá-la a organizações sociais (OS). Segundo Pinheiro, a administração própria é mais barata e eficiente.

A gestão pelas organizações de saúde também preocupa profissionais do setor contra a municipalização. O Sindicato dos Médicos divulgou nota afirmando que a prefeitura não tem sido eficiente nas fiscalizações da OS e cita como exemplo os hospitais municipalizados Ronaldo Gazolla e Pedro II. "A OS que gerenciava essas unidades se envolveu em desvio de verba e a prefeitura, que deveria ter fiscalizado todos os repasses, nunca fez nada, permitindo que o dinheiro público fosse utilizado de uma forma criminosa", disse o presidente, Jorge Darze.

Paulo Pinheiro lembra que a prefeitura não separou dinheiro no orçamento de 2016 para arcar com os novos custos, que devem chegar a R$ 500 milhões por ano com as novas unidades e podem prejudicar outras áreas. O prefeito disse que cortará programas sociais e pequenas obras.http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-01/prefeitura-do-rio-...

Diante da situação, o vereador acredita que o município pode ficar sobrecarregado e chegar a ter de devolver os hospitais, como ocorreu em 2005, quando duas unidades federais municipalizadas, por falta de recursos e condições de atendimento, também chegaram a fechar .

A prefeitura se comprometeu a investir R$ 100 milhões no Rocha Faria e no Albert Schweitzer e a fazer reformas, inclusive no entorno, construindo, por exemplo, estacionamentos. Mudanças nas rotinas, com a ampliação do horário de visitas, também estão previstas.

*Colaborou Carolina Barreto, repórter do Radiojornalismo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos