PUBLICIDADE
Topo

"Bela vitória", diz Temer sobre aprovação da meta fiscal

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil

25/05/2016 12h26

 

Michel Temer participa da cerimônia de apresentação de credenciais de embaixadores (Beto Barata/PR)

Michel Temer participa da cerimônia de apresentação de credenciais de embaixadores Beto Barata/PR

O presidente interino Michel Temer disse que foi uma  "bela vitória" a aprovação pelo Congresso Nacional do projeto que revisa a meta fiscal para 2016, autorizando o governo federal a fechar o ano com um déficit primário de até R$ 170,5 bilhões nas contas públicas este ano. Temer deu a declaração após a cerimônia de entrega de credenciais de embaixadores de seis países. 

A entrega de credenciais ocorreu no Salão Oeste do Palácio do Planalto. O ministro das Relações Exteriores, José Serra, participou da cerimônia.

A cerimônia oficializa os embaixadores como representantes de seus países no Brasil. De acordo com o ministério, um embaixador assume o posto depois de entregar documentos ao governo do país onde irá atuar. A entrega das credenciais ao presidente da República é uma formalidade que aumenta as prerrogativas de atuação do diplomata no Brasil. Foram credenciados os embaixadores da República Democrática do Congo, Mutombo Bakafwa Nsenda; do Paquistão, Burhanul Islam; do Iraque, Arshad Omar Esmaeel; da Grécia, Kyriakos Amiridis; da Namíbia, Samuel S. Nuuyoma; e da Croácia, Zeljko Vukosav.

Protesto

Durante a entrega das credenciais, integrantes da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf) fizeram um protesto na Praça dos Três Poderes, que pode ser ouvido dentro do Palácio do Planalto. Os manifestantes são contra a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário e pedem a saída de Temer da presidência da República. O grupo vaiou os diplomatas no momento em que desceram a rampa para deixar o Planalto. 

Por volta das 12h, o grupo saiu da frente do Palácio do Planalto. Eles devem fazer manifestação em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir celeridade nas investigações que envolvem integrantes do governo interino.