Depoimento de Calero não aponta pressão do presidente, diz ministro da Justiça

Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse hoje (25) que o depoimento do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, à Polícia Federal deixa claro que o presidente Michel Temer não pressionou Calero em favor de interesses de Geddel Vieira Lima, que hoje (25) deixou a Secretaria de Governo. 

Calero conversou com Temer sobre suposta pressão que teria sofrido por parte de Geddel para liberar a construção de um edifício de alto padrão em Salvador no qual Geddel teria adquirido um imóvel. O empreendimento foi embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por estar localizado em área tombada como Patrimônio Cultural da União.

"Basta ler o depoimento que está em todas as redes sociais para ver que o presidente simplesmente indicou ao ministro Calero que, se achasse o caso, consultasse a AGU [Advocacia-Geral da União], tanto que o próprio ministro entendeu por bem não consultar", disse Alexandre de Moraes.

Calero pediu demissão na sexta-feira (18) e, na quarta-feira (23), prestou depoimento à Polícia Federal quando disse que o presidente Michel Temer o havia "enquadrado" e sugerido uma saída por meio da Advocacia-Geral da União para o caso. Por meio do porta-voz Alexandre Parola, Temer disse que buscou "arbitrar conflito" entre ministros e negou que teria pressionado Calero por uma saída do caso.

O ministro da Justiça disse ainda que serão apuradas as informações divulgadas pela imprensa de que Calero gravou conversa que teve com o presidente Michel Temer e integrantes do governo. "Há os boatos sobre se há ou não gravação, isso vai ser apurado para verificar em que condições foram feitas, se é que realmente foram feitas", disse em entrevista a jornalistas após participar de evento do PSDB no auditório da Câmara dos Deputados.

Alexandre de Moraes informou que o depoimento de Calero foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) que abriu vistas para a Procuradoria-Geral da República. "O procurador-geral da República vai analisar se vai ou não insistir nesse pedido de abertura de inquérito", disse.

Em nota, divulgada hoje (25), o ex-ministro Marcelo Calero nega ter marcado audiência com o presidente Temer para gravar a conversa. "A respeito de informações disseminadas, a partir do Palácio do Planalto, de que eu teria solicitado audiência com o presidente Michel Temer no intuito de gravar conversa no Gabinete Presidencial, esclareço que isso não ocorreu. Durante minnha trajetória na carreira diplomática e política, nunca agi de má-fé ou de maneira ardilosa. No episódio que agora se torna público, cumpri minha obrigação como cidadão brasileiro que não compactua com o ilícito e que age respeitando e valorizando as instituições". 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos