Em São Carlos, cientistas criam método simples para diagnosticar Alzheimer

Fernanda Cruz - Repórter da Agência Brasil

Biomarcador para detecção de Alzheimer criado por cientistas da Universidade de São CarlosDivulgacão Ufscar

Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolveram um método simples, rápido e de baixo custo para detectar a doença de Alzheimer. Atualmente, os médicos contam apenas com técnicas pouco precisas para o diagnóstico, como tomografia, ressonância magnética e análise clínica dos sintomas.

O Alzheimer é a forma mais comum de demência em pessoas idosas, uma doença progressiva que não tem cura, que  destrói a memória e outras funções mentais..A causa ainda é desconhecida, mas pode ter relação com a genética. "É muito difícil diferenciar o Alzheimer de outras demências. Normalmente, pessoas idosas tendem a ter mais demências e 60% delas são relacionadas ao Alzheimer", disse o professor do Departamento de Química da UFSCar Ronaldo Censi Faria, um dos responsáveis pelo estudo.

Na pesquisa, os cientistas notaram que pacientes com Alzheimer apresentam alteração na proteína ADAM10, presente no sangue. Para comprovar a alteração, foram selecionados 24 voluntários com mais de 60 anos, divididos entre saudáveis, portadores de Alzheimer e de transtorno neurocognitivo leve (considerado o pré-Alzheimer). A etapa foi coordenada pela professora Márcia Regina Cominetti, do Departamento de Gerontologia.

A conclusão foi que a proteína apresentava alterações tanto nos pacientes portadores de Alzheimer, como nos de pré-Alzheimer. "Nesse universo pequeno de 24 indivíduos ficou bem notória a diferença nos valores da ADAM10. Isso mostra que [o método] tem uma boa precisão", afirmou o professor.

O exame foi feito com o uso de biomarcadores, cujo custo material não passa de R$ 3, tornando possível identificar diferentes estágios da doença e até mesmo predisposição ao Alzheimer, segundo a pesquisa. Uma pequena quantidade de sangue é tratada com partículas magnéticas que são capturadas por um imã. A concentração é determinada com um dispositivo sensor descartável. O nível do biomarcador tende a aumentar dependendo do grau da doença.

Em termos de custo, essa tecnologia é vantajosa por ser mais acessível à população, uma vez que o valor cobrado pela tomografia computadorizada gira em torno de 400 a 800 reais. Outra vantagem do biomarcador é que, se descoberto de forma precoce, o tratamento do Alzheimer pode até retardar o avanço da doença. Os métodos atuais só detectam a doença em estágios mais avançados.

Segundo os pesquisadores, a patente do biomarcador já foi registrada, mas a previsão é que o produto leve de cinco a 10 anos para chegar ao mercado. A próxima etapa do estudo será  a ampliação do número de voluntários para 200 a 300.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos