Projeto Rondon completa 50 anos com 844 municípios beneficiados

Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil

A Operação Zero, que deu início ao projeto, partiu para Rondônia em 11 de julho de 1967 com 30 alunos e dois professores Imagem de divulgação/Projeto Rondon/direitos reservados

Criado como uma oportunidade para universitários voluntários contribuirem, durante as férias, para o desenvolvimento de comunidades carentes no estado de Rondônia, o Projeto Rondon completa 50 anos, em julho de 2017.

Em julho de 1967, a Operação Zero, que deu origem ao projeto, partiu para Rondônia com dois professores e 30 alunos voluntários das universidades do Estado da Guanabara (atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro), da Universidade Federal Fluminense e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. O grupo realizou, durante 28 dias, levantamento, pesquisa e assistência médica no território.

Na volta, a experiência foi tão gratificante para alunos e professores e tão proveitosa para as comunidades beneficiadas, que o grupo quis dar continuidade às jornadas e criou então o Grupo de Trabalho Projeto Rondon, com o Decreto nº 62.927, de 28 de junho de 1968, subordinado ao então Ministério do Interior, efetivando assim, a criação do projeto.

Em 1968, as atividades se estenderam ao Mato Grosso e à Amazônia, com a adesão de 648 jovens. Hoje, o projeto é subordinado ao Ministério da Defesa, embora a articulação interministerial garanta a essência do projeto, que é o encadeamento entre vários campos do conhecimento como saúde, saneamento e meio ambiente entre outros.

Para que as ações junto às comunidades carentes tenham efeitos duradores, o projeto prioriza a formação de multiplicadores entre produtores, agentes públicos, professores e lideranças locais. Com isso, favorece, no longo prazo, a população, a economia, o meio ambiente e a administração locais.

Números

Com o slogan Lição de Vida e Cidadania, o projeto já promoveu 151 ações em 844 municípios, envolvendo 291 instituições e mais de 19 mil voluntários, chamados de rondonistas. O ano de maior mobilização foi 2009, que teve 12. Para 2017 estão previstas duas operações, a Rondônia Cinquentenário e a Serra do Cachimbo.

A Operação Serra do Cachimbo ocorrerá entre 14 e 30 de julho e vai levar 161 rondonistas de 16 universidades a nove municípios, sendo oito no Mato Grosso e um no Pará. Entre as metas desta operação está capacitar produtores locais nas áreas da agricultura familiar e do turismo.

A outra operação é a Rondônia Cinquentenário, que começa amanhã (7). Ela será lançada hoje (6), em Porto Velho, em uma cerimônia de comemoração ao aniversário do projeto, com a presença do ministro da Defesa, Raul Jungmann. As tarefas dos 300 voluntários deverão beneficiar 15 municípios.

Experiência

Bonito (PA) - Universitários participantes do Projeto Rondon 2012 - Operação Açaí ajudam moradores do município a fazer sabão, a partir de óleo de cozinha usadoImagem de Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil

Em diversas operações, a presença feminina entre voluntários é predominante. A biomédica gaúcha e mestre em biotecnologia Bruna Jordon Togni, de 29 anos, foi uma das 212 mulheres que integravam o time de 375 rondonistas da Operação Açaí, realizada no Pará, em 2012.

"Foi uma experiência muito bacana, tanto para nós quanto no sentido de poder proporcionar isso à comunidade. Mudou minhas formas de enxergar o mundo, de ver o quanto nós temos, ao possuir coisas simples como chuveiro, saneamento básico, coisas que antes eu não valorizava", disse.

Os benefícios se traduziram também em uma compaixão ampliada no ambiente profissional. "Eu passei a ser muito mais sensível aos meus colegas, a ter muito mais empatia".

O bom histórico escolar e experiência em práticas junto a comunidades carentes garantiram a ida de Bruna a Curralinho, na Ilha do Marajó. A viagem até a cidade, localizada a 150 quilômetros de Belém, foi de barco e durou um dia inteiro.

Bruna conta que a proposta da instituição, à época, deveria considerar dois aspectos: o assistencial e o de saúde. A equipe teve contato com problemas específicos da região, como a malária. "Em pouquíssimos lugares, a água era encanada. Na maioria, vinha diretamente do rio. Era corriqueira a falta de estrutura. Não tinha médico, e era uma cidade com 30 mil habitantes".

Inscrição

Atualmente, as equipes são formadas por dois professores e oito alunos. Os interessados apresentam uma proposta de trabalho, que é submetida a uma comissão. Os editais são divulgados no site do Projeto Rondon, geralmente em março e agosto.

O projeto também divulga fotos, pelo Instagram, e mantém contas no Twitter e no Facebook.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos