PUBLICIDADE
Topo

Abraço simbólico vai pedir preservação da Lagoa Rodrigo de Freitas

27/12/2018 15h54

A população carioca e os visitantes do Rio de Janeiro vão fazer um abraço simbólico na Lagoa Rodrigo de Freitas no próximo dia 5 de janeiro. A concentração será às 9h, nos pedalinhos da Lagoa, e marcará o compromisso da sociedade de agir em prol da preservação e melhoria do meio ambiente local.

"É um abraço à Lagoa Rodrigo de Freitas, mas que também abraça tanto as lagoas de Niterói, como as lagoas da Baixada de Jacarepaguá", explica o biólogo Mário Moscatelli, organizador do movimento. O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e o prefeito carioca, Marcelo Crivella, também foram convidados.

Garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheram quase 90 toneladas de peixes que desde o dia 20 deste mês apareceram  mortos na Lagoa Rodrigo de Freitas. Em quatro dias de trabalho, a Comlurb mobilizou na limpeza 662 profissionais, sendo 601 garis e 61 agentes de limpeza urbana. O trabalho contou com o uso de quatro catamarãs para recolher os peixes mortos que boiavam no espelho d?água.

Na avaliação de Mário Moscatelli, uma soma de fatores foi responsável pela recente mortandade de peixe na Lagoa, dos quais dois são protagonistas antigos: a falta de troca de água do Canal do Jardim de Alah, que está completamente entupido debaixo da Avenida Delfim Moreira, e o lançamento de esgoto na Lagoa.

A isso se somou o efeito de um "maçarico de calor", afirmou. "Além de combater os problemas ambientais do século passado, que são o esgoto e o entupimento do canal, a gente precisa modernizar a gestão da Lagoa Rodrigo de Freitas diante desse novo quadro climático".

O ambientalista lembrou que em 2000, os abraços dados pelos moradores do Rio na Lagoa Rodrigo de Freitas tiveram resultado significativo, que foi a melhora das condições das águas naquele cartão-postal do Rio de Janeiro, a partir de 2005, realizada pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), por meio de articulação com a promotora do Ministério Público do Estado, Rosani Cunha, atual desembargadora.

Segundo Moscatelli, as promessas para a recuperação da Lagoa não têm sido cumpridas. "O tempo passa, as olimpíadas passam, e todas as promessas que têm sido feitas para recuperação dessas lagoas, de forma permanente, estão ficando no imaginário. Porque, efetivamente, a gente não consegue resolver de forma definitiva os velhos problemas de sempre", diz.

A Comlurb recolheu toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio de Janeiro - Tânia Rêgo/Agência Brasil