Apartamento da mulher de Vaccari está em nome de funcionária da OAS

São Paulo - O Ministério Público Federal descobriu que um imóvel da mulher do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, no Condomínio Solaris, no Guarujá, está em nome de uma funcionária da OAS. O apartamento foi declarado por Giselda no ajuste anual do imposto de renda - pessoa física, dos anos calendário 2007 a 2013, no valor de R$ 127,1 mil.

O condomínio Solaris é alvo da Triplo X, 22ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta quarta-feira, 27. O procurador regional da República, Carlos Fernando dos Santos Lima, que integra a força-tarefa da Lava Jato, declarou que "todos os apartamentos" do Solaris são alvos da investigação.

Em pedido de busca e apreensão criminal enviado ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato, a Procuradoria informou que havia solicitado ao Registro de Imóveis de Guarujá cópia de todas as matrículas do empreendimento antes denominado "Mar Cantábrico", atual Condomínio Solaris, situado na Avenida Gal. Monteiro de Barros, 638, Guarujá, litoral de São Paulo.

"Na análise dos documentos recebidos, causou espanto verificar que, apesar de Giselda Rousie de Lima, esposa de João Vaccari Neto, declarar ser proprietária de um apartamento (unidade 43) no Edifício Navia, do condomínio "Mar Cantábrico", esta não figurava na matrícula do referido imóvel. Na realidade, na matrícula correlata, figura como proprietária, desde 30 de outubro de 2013, Sueli Falsoni Cavalcante, funcionária da OAS, construtora investigada na Operação Lava Jato", informou o Ministério Público Federal.

O documento é subscrito pelos 11 procuradores da República que formam a força-tarefa da Lava Jato. Para eles, esse indício de ocultação de patrimônio, "aliado aos outros elementos já coligidos", reforça a hipótese de o empreendimento ser utilizado para a lavagem de capitais.

O alvo central da Triplo X são imóveis da Bancoop, adquiridos pela OAS, em nome da família de Vaccari e também o triplex 163-B, na torre vizinha à que abriga o apartamento que seria do ex-presidente Lula. O 163-B está em nome da offshore Murray Holdings LLC, registrada em Nevada (EUA).

Vaccari Neto presidiu a Bancoop entre 2004 e 2010. Durante sua gestão verbas destinadas à construção dos edifícios de apartamentos dos cooperados teriam sido desviadas. Vaccari é réu por corrupção, lavagem de dinheiro e estelionato em ação penal por suposto desvio de R$ 70 milhões da Bancoop, na 5.ª Vara Criminal de São Paulo. O ex-tesoureiro nega ilícitos durante sua gestão na presidência da Cooperativa, entidade criada nos anos 1990 por um núcleo do PT.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos