Operação Lava Jato

Marqueteiro do PT pede para ser julgado pelo STF

Em Brasília

  • Zanone Fraissat/Folhapress

    João Santana e a mulher, Mônica Moura, estão presos desde o dia 23 de fevereiro

    João Santana e a mulher, Mônica Moura, estão presos desde o dia 23 de fevereiro

A defesa do marqueteiro João Santana apresentou uma reclamação ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quinta-feira (10) para pedir a anulação da prisão do publicitário no âmbito da Operação Lava Jato e para que o seu caso seja julgado pela Corte.

"O presente procedimento não se destina a apurar delitos comuns. Muito ao revés, trata de apurar a ocorrência de possíveis crimes eleitorais, que envolvem, ao que tudo indica, autoridades detentoras de prerrogativa de foro", diz a peça protocolada pelos advogados Fábio Tofic Simantob e Maria Jamile.

O pedido tem como objetivo tirar as investigações contra o marqueteiro das mãos do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba.

João Santana e sua mulher, Mônica Moura, foram presos no dia 23 de fevereiro. O inquérito investiga supostos pagamentos de US$ 3 milhões ao marqueteiro pela Odebrecht em paraísos fiscais. Na última década, o publicitário se dedicou a campanhas do PT, entre elas as que levaram à vitória a presidente Dilma Rousseff em 2010 e 2014.

A linha da defesa até agora, porém, foi de que os recursos encontrados em contas no exterior são relativos a trabalhos executados por Santana fora do Brasil.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos