Processo de impeachment

Jaques Wagner diz que pedaladas fiscais são práticas contábeis largamente usadas no País

Em Brasília

  • Felipe Dana/AP

    Jaques Wagner

    Jaques Wagner

O ministro-chefe do Gabinete da Presidência, Jaques Wagner, avaliou na tarde desta terça-feira (29), que as pedaladas fiscais são práticas contábeis largamente utilizadas no Brasil e chanceladas pelos Tribunais de Contas. A declaração faz parte de uma série de postagens feita pelo ministro no Twitter. As pedaladas fiscais no governo da presidente Dilma Rousseff (PT) são a base para o processo de impeachment dela que tramita na Câmara.

Além de justificar as pedaladas fiscais, Wagner considerou como "perigoso para a democracia" o argumento de que o impeachment é um processo mais político que jurídico. "Esse é um argumento perigoso para a democracia. Isso significa que é preciso primeiro a ocorrência do fato jurídico para, depois, ser feita a apreciação política do impeachment", relatou. "Tal condição existe como forma de impedir que a soberana vontade popular expressa nas urnas seja desrespeitada", completou o ministro.

As postagens do ministro foram feitas no momento em que a agenda da presidente Dilma Rousseff previa uma reunião com ele no Palácio do Planalto. Wagner não citou o PMDB, partido que ratificou hoje o rompimento com o governo Dilma.

Nas declarações pela rede social, Wagner avaliou ainda que, no presidencialismo, um chefe de governo só pode ser destituído por crime de responsabilidade e repetiu que é preciso, portanto, "primeiro a ocorrência do fato jurídico antes de apreciação política do impeachment".

Impeachment passo a passo

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos