Dinheiro público não pode acabar em 'muquifo', diz Dilma em evento do Minha Casa

Brasília - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quarta-feira, 30, o alto volume de subsídios do Minha Casa Minha Vida no lançamento da terceira etapa do programa. "Dinheiro público não pode resultar em muquifo, tem que resultar em casa boa e de qualidade", discursou a presidente no Palácio do Planalto.

"Nós temos orgulho de subsidiar porque sabemos que a conta do bolso do trabalhador e trabalhadora brasileira, dos quilombolas, dos extrativistas, a conta não fecha se o governo não for capaz de devolver recursos tributários para garantir a melhoria das condições de vida", afirmou.

A presidente Dilma afirmou que mesmo diante das "dificuldades públicas e notórias" da economia, o governo optou em não cortar os programas socais porque é preciso enfrentar um "passivo histórico" de "desigualdade imensa" no País.

A presidente começou o discurso exaltando o Minha Casa Minha Vida com a afirmação de que só o governo dela e do antecessor, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foram capazes de implementar um programa habitacional que garantisse a milhões de brasileiros o sonho da casa própria. "Lançamos o programa para enfrentar a crise em 2009 e de outro pela absoluta consciência que a questão da casa própria era uma das reivindicações mais importantes dos movimentos sociais", afirmou.

Subsídios

A presidente Dilma disse que o Minha Casa não tem condições de rodar sem os subsídios. "Esse programa não tem solução de mercado. Implica uso de tributos para assegurar que milhões de brasileiros tenham acesso à casa própria. Aqueles que acham que um programa desses pode ser resolvido puro e simplesmente por mecanismos de mercado esquecem que há uma diferença de renda brutal no País e que é nosso papel resolvê-lo", afirmou.

Segundo ela, a terceira etapa do programa será "instrumento de recuperação da economia brasileira", ao impulsionar o setor da construção civil, com a geração de novos empregos. "Sem estabilidade política, não chegaremos lá", disse. "Aqueles que querem interromper um legitimadamente eleito vão ser responsáveis por retardar a retomada do crescimento econômico e do emprego", completou Dilma, referindo-se ao processo de impeachment que enfrenta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos