Integrantes do MBL com crachás de acesso foram convidados pela mesa, diz Cunha

Brasília - A presença de integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) de maneira irregular na Câmara foi alvo de questionamentos em plenário. O líder do PT, Afonso Florence (BA), afirmou que o cartão para visitantes não foi oferecido aos demais líderes partidários, que, com as limitações de acesso, tiveram direito a três crachás cada. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que Kim Kataguiri, Renan Santos e Rubens Nunes foram convidados pela Mesa Diretora da Casa.

"A Mesa teve direito a distribuir a convidados uma cota da sua distribuição. Então houve distribuição (de credenciais) por membros da Mesa para convidados, dois ou três convidados, certamente quem está portando o crachá, foi concedido pela Mesa, não foi distribuição partidária", declarou Cunha. Ele não explicou por que Renan Santos, um dos coordenadores do MBL, aparece em uma imagem feita pelo jornal O Estado de S. Paulo com o crachá de um servidor.

Apesar de Cunha ter dito que a distribuição não foi partidária, Kim e Renan contaram ao Broadcast Político (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado) que receberam as credenciais do líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), e do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), que também confirmaram as informações.

Depois de terem sido detidos pelo Departamento de Polícia Legislativa (DEPOL), eles foram liberados com crachás cinzas onde se lê "salão verde" e estão na liderança do DEM.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos