Líder do PMDB no Senado censura Dilma por ela não ter feito autocrítica

Brasília - O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE) reafirmou o seu voto a favor do que chamou de "lamentável" processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Apesar de não ter interrogado Dilma na segunda-feira, 29, para "evitar constrangimentos", nesta terça-feira, 30, ele não poupou a petista de críticas em seu pronunciamento.

Eunício disse que a presidente afastada deveria ter feito uma autocrítica em seu depoimento, o que não ocorreu. "Dilma não inovou, ao contrário, repetiu os argumentos", declarou. O líder do PMDB afirmou ainda que ela "manteve" seu constante distanciamento do parlamento e discursou apenas para preservar a sua biografia, dirigindo-se aos seus aliados. Para ele, as pedaladas cresceram em 2015, o que gerou a necessidade de um ajuste fiscal.

Ao final de seu discurso, longe do microfone, Eunício voltou a elogiar Dilma e dizer que "gosta muito dela". Para o parlamentar, as pedaladas fiscais e os decretos de créditos suplementares apenas motivaram o impeachment, porém o que deve gerar de fato a saída da petista é a sua falta de apoio no Congresso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos