Maia diz que juiz que autorizou operação contra Senado tomou 'decisão equivocada'

De Brasília

  • Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na tarde desta terça-feira (25) que o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, tomou uma "decisão equivocada" ao autorizar a Operação Métis contra a polícia legislativa do Senado.

A operação, realizada na última sexta-feira (21) com autorização de Vallisney de Souza Oliveira, levou à prisão de quatro policiais legislativos do Senado Federal, sob acusação de usarem instrumentos de contra-inteligência para obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

"Houve uma decisão equivocada de um juiz de 1ª instância em relação a um Poder, que essa decisão deveria ter partido do Supremo. Acho que está certa a decisão de encaminhar ao Supremo essa reclamação, e o Supremo vai decidir. Acho que o presidente (do Senado) Renan (Calheiros) tomou a decisão correta", afirmou Maia, após reunião com Renan.

"Essa é uma pauta que está colocada. Fazemos parte do Congresso. Ele preside o Senado, eu presido a Câmara. Em um momento em que acontece uma operação, de fato, no mínimo duvidosa, o diálogo é importante. Porque hoje foi o Senado, amanhã pode ser a Câmara, depois de amanhã, o Supremo ou até a Presidência da República", disse.

Apesar das críticas, Maia afirmou que agora é hora de buscar a harmonia entre os Poderes. "Cada momento um defende sua instituição. Já foi feito isso. (...) Agora está no segundo momento, na hora de, além da independência, a gente garantir a harmonia entre os Poderes. É isso que devemos fazer nos próximos dias", disse.

O primeiro momento a que Maia se referiu foi às críticas do presidente do Senado, que chamou o juiz Vallisney Oliveira de "juizeco", e a reação da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Sem citar Renan, ela afirmou que sempre que um magistrado for destratado, ela também será.

"Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes é agredido. E não há a menor necessidade de numa convivência democrática livre e harmônica, haver qualquer tipo de questionamento que não seja nos estreitos limites da constitucionalidade e da legalidade", disse.

Cármen declarou que o Judiciário exige respeito dos demais Poderes da República e destacou que possíveis erros jurisdicionais ou administrativos devem ser questionados "nos meios recursais próprios".

Após crítica de Renan, Cármen Lúcia defende Judiciário

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos