Em nota, Planalto confirma cancelamento de licitação de alimentos para avião -

Brasília - O Palácio do Planalto divulgou no início da noite desta terça-feira, 27, uma nota para confirmar o cancelamento de uma licitação em que o governo federal estimava gastar R$ 1,75 milhão em produtos alimentícios para abastecer o avião do presidencial.

"O presidente Michel Temer, ao embarcar de volta de viagem de trabalho a Maceió, tomou conhecimento da notícia sobre licitação para comissaria de bordo para o avião presidencial e determinou seu imediato cancelamento", diz o texto.

"A determinação presidencial é de que também este serviço tenha seu preço reduzido em relação ao que vinha sendo praticado anteriormente. A mesma instrução vale para todas as aeronaves que servem ao Governo Federal", completa a nota, assinada pela Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom).

Segundo interlocutores do presidente, a notícia, publicada inicialmente pelo colunista Lauro Jardim, deixou o presidente surpreso. Segundo o edital publicado no dia 19 de dezembro no Diário Oficial da União, em sorvete, o governo estimava gastar mais de R$ 17 mil, sendo que R$ 7,545 mil em 500 unidades de sorvete tipo premium Häagen-Dazs e R$ 8,625 mil em sorvete sem lactose de amora e morango.

O episódio foi visto por auxiliares do presidente como um "desgaste desnecessário" ainda mais em um momento em que o governo prega austeridade nas contas públicas. Durante toda a tarde, equipes da Casa Civil, da Secretaria de governo e da Secom buscavam uma forma de responder ao que muitos no governo reconheceram como preços inexplicáveis. O edital foi formulado pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI).

Antes da publicação da nota, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, usou o Twitter para afirmar que o pregão - que estava marcado para o próximo dia 2 - havia sido cancelado. "Por orientação presidencial, foi cancelado o Pregão 14/2016, para o dia 02.01.2017, de Serviços de Comissária Aérea", escreveu.

Lista

De acordo com o edital publicado no dia 19 de dezembro no Diário Oficial da União, o valor da contratação estava estimado em R$ 1.748.653,20, sendo que R$ 166 mil em serviços e R$ 1,58 milhão em material. As propostas seriam apresentadas no próximo dia 2 de janeiro e o contrato previa a duração de um ano.

Entre os itens listados, o governo estimava gastar até R$ 42 mil em gelo, sendo R$ 19 mil em gelo em cubo, R$ 1,370 mil em gelo em cubinhos e R$ 21,6 mil em gelo seco. Havia ainda a estimativa de que o governo pagasse até R$ 28 mil por 1.500 pacotes de papel toalha e mais R$ 10.420,00 por mil pacotes de guardanapos com 50 unidades. Também constava no edital a estimativa de gasto de R$ 1,740 mil por 600 rolos de papel higiênico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos