Decreto de Haddad abre caminho para mudança e privatização da Ceagesp

Em São Paulo

  • Rafael Roncato/UOL/Foto tirada com o LG G4

    No Ceagesp, são comercializados produtos oriundos de 1.500 municípios, de 22 Estados e 19 países

    No Ceagesp, são comercializados produtos oriundos de 1.500 municípios, de 22 Estados e 19 países

O último decreto importante da gestão Fernando Haddad (PT) será assinado nesta quarta-feira (28) e viabilizará a transferência da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) da Vila Leopoldina, zona oeste, para Perus, na zona norte. A mudança, segundo Haddad, retira a principal trava para o desenvolvimento das margens do rio Tietê, no chamado "Arco do Futuro", uma de suas principais promessas de campanha.

O decreto estabelece as diretrizes do projeto que o grupo econômico interessado em assumir o serviço deve apresentar. A empresa se chama Novo Entreposto de São Paulo (Nesp) e é do grupo Serbom. A ideia é que o grupo assuma os serviços prestados pela Ceagesp, privatizando a ação de entrepostos, que vem sendo executada pela estatal, de controle da União.

A área para onde o entreposto será transferido é tida pela gestão como "estratégica", por estar ao lado tanto dos trens metropolitanos quanto da Rodovia dos Bandeirantes, mas antes das praças de pedágio. Para incentivar a mudança, a Lei de Uso e Ocupação do Solo da cidade já previa a Ceagesp como terreno de uso misto, podendo abrigar comércio e moradias, e estabeleceu que a União, dona do terreno atual, não precisaria pagar outorgas caso verticalizasse a área - cujo valor venal passa de R$ 1,7 bilhão.

Maior entreposto do gênero da América Latina, a Ceagesp registra receita operacional anual de mais de R$ 90 milhões - são 13 unidades no Estado, e a paulistana responde por 80,1% do total. Ali são comercializados produtos oriundos de 1.500 municípios, de 22 Estados e 19 países. Ao todo, são vendidas 10 mil toneladas por dia de alimentos no lugar.

Âncoras

Para Haddad, a mudança da Ceagesp segue as "âncoras" de desenvolvimento planejadas para a cidade. São elas: o terreno da Ceagesp; o complexo do Anhembi, em Santana, na zona norte; o Autódromo de Interlagos, na zona sul; e os Estádios do Pacaembu e do Canindé, ambos na região central.

"São cinco oportunidades de atualizar a cidade do ponto de vista da paisagem e do ponto de vista dos serviços prestados pela municipalidade", avalia o atual prefeito.

O terreno da Ceagesp deve se transformar em um novo bairro. O Estádio do Pacaembu será concedido à administração privada. E o Canindé, depois de resolvidas dívidas do clube, também deve se tornar empreendimento imobiliário. Nesses três pontos, tanto Haddad quanto o prefeito eleito, João Doria (PSDB), pensam o mesmo. As desavenças de método - mas não de finalidade - estão nos demais. Enquanto Haddad defende conceder Anhembi e Interlagos à iniciativa privada, Doria fala em vender os equipamentos.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos