Revista encontra rifle, 42 facas e roteador em presídio de massacre no AM

  • Secretaria de Comunicação do Governo do Amazonas/Divulgação

Uma revista realizada no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, nesta sexta-feira (6), resultou na apreensão de um rifle calibre 32, 42 facas, 24 celulares além de um roteador de internet. Foi no Compaj que na noite do domingo (1º), e a na madrugada da segunda-feira (2), 56 presos foram assassinados, no que é considerado o maior massacre em cadeias brasileiras desde o Carandiru, em 1992, que deixou 111 mortos.

Participaram da revista funcionários da Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas e policiais militares. O governo do Estado informou que o procedimento é "parte do planejamento preventivo" desenvolvido por um comitê de crise que acompanha a situação do presídio. "O principal objetivo é a retirada de materiais ilícitos que poderiam ser usados para desestabilizar a unidade e promover alguma alteração", informou a administração por nota.

Imagens gravadas pelos próprios internos no dia do massacre mostraram que vários deles portavam armas, que podem ter sido usadas para executar rivais. Após o fim da rebelião, quatro pistolas e uma espingarda calibre 12 foram entregues pelos criminosos. A polícia buscava outras armas curtas e ao menos mais uma arma longa que aparecia nas gravações. As imagens do circuito interno de segurança da unidade e as gravações dos próprios detentos devem auxiliar a força-tarefa da Polícia Civil a identificar os presos envolvidos com as mortes.

Além das armas, foram apreendidas 56 porções de drogas, uma balança de precisão e equipamentos como lanternas e martelos. No total, 145 participaram da operação, entre servidores da secretaria e agentes de diversos batalhões da Polícia Militar amazonense. Nesta quinta-feira, uma revista já havia ocorrido na unidade de Puraquequara, onde na segunda-feira aconteceram quatro mortes, também relacionadas a brigas de facções no Estado.

Superlotado, presídio de Manaus foi cenário de massacre

Massacre em Manaus

Entre os dias 1º e 2 deste mês, ao menos 56 detentos morreram durante uma rebelião no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), em Manaus. Dezenas de corpos foram encontrados esquartejados, decapitados e queimados. Essa foi a maior matança registrada em presídios desde o massacre do Carandiru, que resultou na morte de 111 presos em 1992, em São Paulo. Na UPP, foram quatro mortos.

A rebelião em Manaus durou cerca de 17 horas e começou na tarde de domingo. A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas atribuiu o que aconteceu a uma disputa entre as facções rivais FDN (Família do Norte)--que tem relação com o Comando Vermelho do Rio de Janeiro-- e PCC (Primeiro Comando da Capital), pelo controle do tráfico de drogas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos