Luxo discreto e causas sociais dominam o tapete vermelho

São Paulo - Deu branco, deu nude e deu muito champanhe. Atrizes poderosas escolheram tons discretos para a cerimônia de gala mais festejada do cinema. Meio sem graça? Não foi bem assim. O luxo hoje tem mais a ver com a elegância do que com a extravagância. Por isso, neste tapete vermelho as cores fortes perderam de lavada para as cores claras e metalizadas. Nada de babados em excesso, os brilhos e pedrarias estavam comedidos. Com exceção de Ruth Negga, maravilhosa de vermelho Valentino, e Viola Davis, que sempre causa com vestidos vibrantes, as indicadas à estatueta fizeram a linha cool.

Ninguém estava muito penteada ou com maquiagem pesada. Os coques e as tranças rebuscadas praticamente não tiveram adesão. A maioria deixou o cabelo solto, natural e levemente ondulado. Como o de Emma Stone, que surgiu em um longo dourado, inspirado nos anos 1920 e assinado pela Givenchy. Isabelle Huppert arrasou com um look da Armani Privé e ear cuff. Superchique, Dakota Johnson optou por um vestido com mangas longas da Gucci enquanto Felicity Jones apostou em um Dior com saia rodada de tule bem estilo bailarina, que é a cara da nova diretora criativa, Maria Grazia Chiuri.

Para falar a verdade, neste tapete vermelho o que chamou mesmo a atenção foram as bandeiras levantadas em nome de causas sociais. Ruth Negga pregou uma fita azul no seu vestido em apoio à associação American Civil Liberties Union, que defende os direitos e liberdades individuais. Emma Roberts chegou com um modelo vintage da Armani divulgando o programa Red Carpet Green Dress, que incentiva o uso de matéria-prima reciclável. Por último, Jackie Chan posou com pandas de pelúcia em nome de uma campanha pela proteção do animal.

Como ninguém se arriscou muito, a polêmica no red carpet ficou por conta de uma ausência. Depois de uma semana tumultuada para a atriz Meryl Streep, ela decidiu pular as fotos da entrada. Resumindo, a Chanel havia declarado que a atriz não vestiria um modelo da marca porque estaria ganhando cachê de outra grife. Ela foi a público exigindo retratação e um pedido de desculpas. Alegou que era mentira. E apareceu já na cerimônia com um vestido azul bordado Elie Saab, que não tinha nada de mais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos