Proponho que se vote reforma trabalhista antes da previdenciária, diz Temer

Eduardo Laguna e Daniel Galvão

São Paulo, 17 (AE)

  • WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente Michel Temer (PMDB) propôs nesta segunda-feira (17) um cronograma de votação de reformas no Congresso que coloca as mudanças na legislação trabalhista na frente das alterações na Previdência, cuja aprovação é apontada pelo governo como fundamental para o reequilíbrio das contas públicas.

O peemedebista colocou a reforma política, chamada por ele de "reformulação política", em terceiro lugar na lista. Temer afirmou ainda que já determinou que sejam feitos estudos para a "simplificação da metodologia tributária" - ou seja, a reforma tributária.

Questionado se o Congresso - onde um terço dos parlamentares já foi citado nas delações de executivos da Odebrecht - teria legitimidade para votar as reformas, o presidente afirmou que os senadores e deputados "chegaram lá pelo voto popular". "Legitimidade, eles têm integralmente."

Temer repetiu que manterá o rito onde estabelece que um ministro de sua equipe só será afastado se for alvo de uma denúncia pelo Ministério Público, sendo definitivamente retirado da equipe se a denúncia for aceita, tornando-o réu de uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF).

O peemedebista ponderou, contudo, que poderá reintegrar um ministro investigado se o Supremo não aceitar a denúncia. "Não pratico gestos de natureza populista. Delatado não é definitivamente condenado. Se houver denúncia, afasto. Pode acontecer de eu afastar temporariamente e a denúncia não ser aceita. Se não for aceita, volto atrás", disse Temer.

O presidente repetiu que a Operação Lava Jato - agora com a abertura de inquéritos contra políticos autorizada pelo ministro do STF Edson Fachin - não pode paralisar o Executivo e o Legislativo. "Não vamos deixar que uma delação qualquer venha a paralisar o País."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos