Na Saúde, crise afeta ‘vitrine’ da gestão Cabral

Roberta Pennafort

Rio, 23/04/2017

"Vitrine" da gestão Sérgio Cabral (PMDB), as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) vivem um cenário melancólico: a crise provocou atrasos nos pagamentos às Organizações Sociais (OSs) e isso se traduziu em menos médicos e menos remédios para a população.

Pacientes relatam que as farmácias estão esvaziadas e que não há reposições de insumos. Médicos e enfermeiros estão sobrecarregados. "Não há luz no fim do túnel a não ser que sejam retomados os repasses regulares", disse o presidente do Cremerj, Nelson Nahon.

A Secretaria de Saúde disse que atua com 40% do orçamento previsto para 2007 e mantém abertas 30 UPAs. A pasta negou que faltem medicamentos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos