Temer permanece em silêncio sobre massacre no Pará

Carla Araújo e Leonencio Nossa

Brasília

Em meio a mais grave crise política de seu governo, o presidente Michel Temer ainda não fez comentários públicos ou oficiais a respeito de mais um caso de violação de direitos humanos ocorrido em seu governo. O massacre de dez trabalhadores sem-terra durante uma ação policial de reintegração de posse, em um acampamento na Fazenda Santa Lúcia, no município de Pau d'Arco, no Pará, no último dia 24, também foi um assunto evitado pelos ministros do núcleo que mais discutem conflitos sociais com o presidente.

Os ministros Raul Jungmann (Defesa), Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) e Osmar Serraglio (Justiça) foram questionados sobre a chacina numa entrevista coletiva no Planalto, na manhã desta sexta-feira, marcada para discutir o problema da violência no Rio de Janeiro. Único a responder pergunta sobre o assunto, Serraglio disse que a sua pasta está acompanhando o caso com a "presença" da Polícia Federal, sem dar detalhes. Nenhum deles falou de solidariedade ou formação de grupo de trabalho para apurar o caso, como era comum em governos passados.

Não é a primeira vez que Temer demora a dar respostas públicas em assuntos relacionados aos direitos humanos. No início do ano, após pressão de vários setores da sociedade civil, Temer comentou com cinco dias de "atraso" o massacre ocorrido no dia 1º de janeiro no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus.

Na ocasião, a repercussão negativa do silêncio do governo fez com que Temer realizasse uma reunião com ministros da área de segurança. Na abertura do encontro, o presidente chamou a chacina no presídio de "acidente pavoroso", o que gerou uma nova onda de críticas.

O silêncio de Temer com situações de violência não ocorre, por exemplo, com acontecimentos internacionais. No último dia 23, o presidente divulgou uma mensagem de solidariedade à primeira-ministra da Grã-Bretanha, Theresa May, após o atentado terrorista ocorrido no dia 22, na cidade de Manchester, na Inglaterra. Temer disse estar consternado com o fato, e que o "Brasil está com o Reino Unido nesta hora de dor".

O governo conta com duas autoridades de ponta para o problema dos Direitos Humanos: a ministra Luislinda Valois e a Secretaria especial de Direitos Humanos, Flavia Piovesan. As duas, entretanto, são criticadas pelo baixo protagonismo no governo. Luislinda foi designada para pasta no dia 2 de fevereiro, mas, de acordo com fontes, ainda não tem o controle total da área. Já Flavia, que o governo tenta emplacar numa vaga no Conselho Interamericano de Direitos Humanos, evita pronunciamentos sobre casos emblemáticos da área.

A reportagem solicitou à assessoria de imprensa do Planalto um posicionamento a respeito do assunto, mas, até o momento, não obteve retorno.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos