Renan: não critiquei escolha de Serraglio como gesto de boa vontade com governo

Julia Lindner, Fernando Nakagawa e Isabela Bonfim

Brasília

  • Alan Marques - 8.dez.2016/ Folhapress

Em mais um gesto de aproximação com o governo, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), disse que a maior "demonstração do seu bom senso" e do gesto de boa vontade com o presidente Michel Temer foi não criticar a indicação do ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio para o Ministério da Transparência nesta segunda-feira (29). Serraglio acabou recusando o cargo nesta terça-feira (30). "Ao não comentar essa nomeação, tive um gesto importante com o governo nesse momento complicado", disse Renan.

Há cerca de três meses, Renan já havia criticado a escolha de Serraglio para a pasta da Justiça, por considerar que ele é um dos aliados do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba. Segundo ele, Cunha chantageava o presidente Temer. "Em que outra circunstância o Osmar seria ministro da Justiça?", questionou o alagoano na época.

Renan afirmou à imprensa nesta terça que elogiou a escolha de Torquato Jardim para o Ministério da Justiça como uma "questão de Justiça" com Temer. "O presidente da República (Michel Temer) teve muita dificuldade com o ministro da Justiça anterior (Osmar Serraglio), mas agora indicou um ministro que tem perfil para tal. A sensatez, a responsabilidade e o bom senso recomendavam que eu fizesse esse registro", declarou.

Na semana passada, Renan disse a Temer, por meio de emissários, que queria que ele assumisse o "protagonismo" de sua sucessão, para escolher um candidato para uma eventual eleição indireta que endurecesse as reações contra a Operação Lava Jato, além de já negociar as trocas no comando da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.

Nesta terça, Renan também voltou a elogiar a visita de Temer a Alagoas, o que melhorou a relação entre os dois, e pediu mais apoio do governo federal para investimento em obras do seu Estado.

PMDB

Na eminência de ser afastado da liderança do partido, Renan disse que a reunião desta terça-feira será muito boa para fazer uma avaliação da condução do partido e de como a sigla deve agir sobre as medidas econômicas do governo Michel Temer. Nos bastidores, o líder da bancada alega que não é contra o presidente Temer - e sim contra as reformas do governo.

"É uma oportunidade para que a gente possa conversar com todo mundo e ver, com humildade, quem tem mais condições de exercer a liderança do partido nesse momento. Se for eu, não tem o que fazer, eu topo o desafio", declarou a jornalistas.

Renan afirmou que não procurou nenhum correligionário em busca de apoio, pois avalia que tudo será resolvido na conversa desta terça. "Quero me colocar à disposição de todos para que a gente possa, com essa condução ou qualquer condução, qualificar o PMDB e fazer a inserção nesse processo que é difícil da vida nacional."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos