PUBLICIDADE
Topo

Quadrilhas explodem quatro agências bancárias no interior de SP

Crimes ocorreram em Paraibuna, interior de SP - Divulgação/PM
Crimes ocorreram em Paraibuna, interior de SP Imagem: Divulgação/PM

José Maria Tomazela

Sorocaba

22/04/2018 16h33

Quadrilhas fortemente armadas usaram explosivos para assaltar quatro agências bancárias em duas cidades do interior de São Paulo, na madrugada deste domingo, 22. Em Paraibuna, no Vale do Paraíba, os criminosos fizeram disparos para assustar os moradores, enquanto roubavam agências do Banco do Brasil e do Santander, região central da cidade. Outras duas agências, do Bradesco e do Santander, foram explodidas em Urupês, na região norte do Estado. Até o início da tarde deste domingo nenhum suspeito tinha sido preso.

22.abr.2018 - Munições apreendidas em um dos locais do crime - Divulgação/PM - Divulgação/PM
Munições pegas em um dos locais do crime
Imagem: Divulgação/PM

Nas duas cidades, os ataques aconteceram por volta das 3 horas e havia gente nas ruas. As explosões e tiros causaram pânico entre os moradores, mas ninguém ficou ferido. Em Paraibuna, as agências ficam distantes cerca de 250 metros uma da outra, ambas na região central. A agência do Banco do Brasil foi atacada primeiro, na rua Major Ubatubano.

Em seguida, os criminosos explodiram a agência do Santander, na rua Coronel Camargo. Os prédios ficaram destruídos. Na fuga, em direção à Rodovia dos Tamoios, o bando espalhou "miguelitos" - pregos retorcidos - para furar o pneu de veículos e dificultar eventual perseguição.

Em Urupês, depois da explosão das agências dos bancos Bradesco de Santander, que ficam próximas, no centro da cidade, os criminosos fugiram atirando para o alto. Após o ataque, a Polícia Militar constatou que um explosivo havia ficado intacto no interior da agência do Bradesco.

22.abr.2018 - Após explodirem caixas eletrônicos em SP, ruas ficaram cheias de estilhaços - Divulgação/PM - Divulgação/PM
Após explosão de caixas eletrônicos, ruas ficaram cheias de estilhaços
Imagem: Divulgação/PM

O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi mobilizado para retirar o artefato. Os prédios das duas agências ficaram destruídos. O valor roubado pelos criminosos das quatro agências explodidas não foi informado. As duas cidades têm, agora, apenas um banco funcionando em cada uma.