Tentativa de furto a repórter de Globo vira pauta de adversários de Nunes à Prefeitura de SP

Uma tentativa de furto a uma repórter da Rede Globo nesta sexta-feira, 8, virou tema entre os pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo. Nas redes sociais, os pré-candidatos criticaram a falta de segurança na capital paulista, tentando associar esse fato à gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB). A Prefeitura, por sua vez, indicou que a segurança pública é responsabilidade do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Indagada sobre a situação da segurança na cidade, a administração Nunes afirmou que "questionamentos a respeito das políticas de segurança pública devem ser encaminhados à Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo". O Estadão procurou a SSP, mas não recebeu resposta até a publicação desta reportagem. O espaço permanece disponível para qualquer manifestação.

Durante uma transmissão ao vivo, a jornalista Juliane Massaoka foi alvo de uma tentativa de furto. Ela estava na Avenida Paulista, no centro da capital, quando um homem em uma bicicleta tentou roubar seu celular. Após o incidente, o deputado e pré-candidato Guilherme Boulos (PSOL-SP) declarou, em um post no X (antigo Twitter), que "São Paulo está abandonada".

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Boulos foi acompanhado por outros candidatos, que aproveitaram o caso para criticar a gestão municipal. Nas redes sociais, a deputada Tabata Amaral (PSB) afirmou que "a falta de políticas públicas efetivas de segurança pública se reflete no medo que tem sido o sentimento de todo cidadão ao sair nas ruas de São Paulo".

Já o deputado Kim Kataguiri (União Brasil) classificou como absurda a condição em que o centro de São Paulo se encontra. "Visando esse bandidos canalhas (sic) eu criei um pacote de tolerância zero com o crime. O pacote inclui desde redução da maioridade penal para 16 anos até internação compulsória para viciados em crack", escreveu.

Segundo a Constituição, a responsabilidade pela segurança pública é do Estado, cabendo às polícias militares, subordinadas aos governadores, a preservação da ordem pública e a execução do policiamento ostensivo para prevenir crimes. O texto ainda prevê que os municípios têm a possibilidade de instituir guardas municipais voltadas para a proteção de seus patrimônios, serviços e instalações.

No caso de São Paulo, o prefeito Jânio Quadros criou a Guarda Civil Metropolitana (GCM) em 1986. Além de sua função como guarda patrimonial, a Lei nº 10.115/1986 estabelece que a GCM deve contribuir para a segurança pública.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora