Bolsonaro vai depor em caso de 'importunação' de baleia; entenda a investigação

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) vai depor na Polícia Federal (PF) nesta terça-feira, 27, no inquérito sobre suposto crime de "importunação intencional" de uma baleia-jubarte em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Bolsonaro será ouvido na superintendência da PF na capital do Estado dois dias depois de ato realizado na Avenida Paulista. O advogado e assessor de comunicação de Bolsonaro, Fabio Wajngarten, também será ouvido pela PF.

O depoimento estava marcado para ocorrer no dia 7 deste mês, porém, foi adiado. O caso sob investigação da Polícia Federal ocorreu em junho de 2023 em São Sebastião. O inquérito foi aberto com base em vídeo que mostra um homem pilotando um jet ski e se aproximando da baleia com o motor ligado, chegando a até cerca de 15 metros do animal. A PF investiga o possível cometimento de crimes previstos em lei que proíbe a pesca ou "molestamento intencional" de baleias.

Em novembro, o Ministério Público Federal também passou a acompanhar o inquérito. A suspeita da Procuradoria é de que Bolsonaro seria o condutor do veículo aquático que se aproximou do mamífero. O ingresso do órgão na investigação se deu a pedido do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que também investiga o caso, e é desdobramento de uma apuração preliminar do MPF sobre o episódio.

O ex-presidente passou o feriado de Corpus Christi de 2023 na região, onde se encontrou com o vereador Wagner Teixeira, que foi multado pelo Ibama por "desrespeito às regras de observação de baleias".

Nas redes sociais, Wajngarten chegou a relacionar a investigação com "perseguição política, jurídica e midiática". Sustentou que, "por inúmeras vezes teve a sorte de avistar animais marinhos no litoral norte de SP e nunca gerou nem notícia, nem intimação processual".