Prainha no interior de SP tem ao menos 15 ataques de piranhas

Ao menos quinze ataques de piranhas foram registrados entre sábado, 2, e domingo, 3, na Praia Municipal Pôr-do-Sol, em Pereira Barreto, no interior de São Paulo, segundo a prefeitura. O Corpo de Bombeiros da cidade, estância turística, afirma que ao menos três vítimas foram encaminhadas para atendimento no pronto-socorro da região. Outras buscaram atendimento por conta própria.

Interditada para banhistas

Por meio de nota, a prefeitura de Pereira Barreto afirma que, devido aos recentes ataques de piranhas na Praia-Pôr-do-Sol, o local ficará fechado para banhistas nos próximos dias.

De acordo com a Secretaria de Turismo, uma limpeza será feita no local. "Após os ataques, que tiveram início no sábado, a praia foi sinalizada com placas provisórias para evitar que os banhistas entrem na água. Placas definitivas já estão sendo confeccionadas para serem instaladas no local", acrescenta.

O secretário de Turismo, Igor Grespan disse que esse problema tem sido recorrente, neste período, em anos anteriores. "Um biólogo já foi acionado e disse que os ataques acontecem devido ao período de desova", disse ele. Não foi informada, porém, qual é a espécie de piranha.

Segundo o Corpo de Bombeiros, no período de 2019 a 2024, a corporação realizou o atendimento de oito ocorrências, totalizando nove vítimas. "O Corpo de Bombeiros realiza periodicamente ações de educação pública sobre prevenção de afogamentos e acidentes em balneários e praias municipais."

Praia Pôr-do-Sol

É uma praia artificial situada a margem direita do Rio Tietê no reservatório da Usina Hidroelétrica de Três Irmãos e é uma principais atrações de Pereira Barreto. Segundo a prefeitura, suas águas limpas e cristalinas atraem banhistas de toda a região.

A praia ganhou o nome de Pôr-do-Sol pelo visual exuberante de suas tardes. São 328 metros de praia, um dos principais pontos turísticos da cidade.