Apple se nega a desbloquear iPhone de jihadista

NOVA YORK, 17 FEV (ANSA) - A Apple se opôs à ordem da Justiça norte-americana de burlar o código criptografado do iPhone de um dos responsáveis pelo atentado em San Bernardino, na Califórnia, em dezembro, que deixou 14 mortos.   

"O governo pediu que a Apple tomasse um passo sem precedentes que ameaça a segurança de nossos consumidores. Nós nos opomos a essa ordem, que tem implicações muito além do caso legal", disse o CEO da empresa, Tim Cook, em comunicado.   

Segundo ele, criar essa brecha seria muito perigoso e, apesar de o governo concordar com seu uso limitado, "não há como garantir esse controle".   

A Justiça quer que o aparelho seja desbloqueado para que possa ter acesso aos dados do jihadista Syed Farook, que, junto com sua esposa, Tashfeen Malik, realizou o atentado.   

O celular de Farook está protegido por uma senha e após 10 tentativas fica bloqueado completamente, por isso a Justiça precisa da ajuda da empresa.   

As autoridades acreditam que os dados dentro do aparelho podem ajudar a esclarecer fatos ainda obscuros sobre a ação, assim como revelar se existem mais pessoas envolvidas no caso. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos