Vaticano nega extradição de padre por pornografia infantil

Na Cidade do Vaticano

  • Getty Images

    Praça São Pedro, no Vaticano

    Praça São Pedro, no Vaticano

O monsenhor Carlo Capella, 50 anos, acusado de posse e difusão de material de pornografia infantil pelo Canadá, não será extraditado pelo Vaticano.

Segundo fontes da Santa Sé ouvidas pela ANSA, o sacerdote tem "imunidade diplomática" e será julgado de acordo com as leis vaticanas.

Ex-funcionário da nunciatura apostólica (espécie de embaixada da Igreja) em Washington, nos Estados Unidos, Capella é acusado de ter difundido fotos de pornografia infantil durante uma visita à cidade de Windsor, no Canadá.

Segundo as investigações, o monsenhor teria carregado as imagens em uma rede social quando estava dentro de uma igreja.

Atualmente, o sacerdote está no Vaticano, onde já é alvo de uma investigação por pornografia infantil.

O caso foi aberto após a Santa Sé ter recebido um alerta do Departamento de Estado dos EUA sobre possíveis crimes praticados por Capella. Ele retornou de Washington no início de setembro.

Na época, o anúncio do inquérito causou espanto no Vaticano, já que o monsenhor integra o alto escalão do corpo diplomático do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos