PUBLICIDADE
Topo

Atiradores eram ex-alunos de escola palco de massacre

13/03/2019 15h14

SÃO PAULO, 13 MAR (ANSA) - Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, 25, autores do massacre que deixou oito mortos e nove feridos na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), eram ex-alunos do colégio.   


A informação foi confirmada pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos, em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (13). "Esse é um dos dias mais tristes da minha vida", declarou.   


Segundo o secretário, a ação começou quando os atiradores roubaram um veículo branco em uma locadora e atiraram no dono do estabelecimento, que teria parentesco com um dos dois jovens. O homem baleado, Jorge Antônio de Moraes, chegou a ser socorrido, mas morreu.   


Em seguida, eles dirigiram até a escola e conseguiram entrar, mas ainda não se sabe como. Campos ressaltou que Monteiro estudou na E.E. Raul Brasil até o ano passado, o que pode ter facilitado o acesso. Os dois atiradores só teriam colocado as máscaras do lado de dentro.   


A primeira vítima da dupla na escola foi a coordenadora pedagógica Marilena Ferreira Vieira Umezo, provavelmente quem recebeu os dois no portão de entrada. Outra funcionária, Eliana Regina de Oliveira Xavier, também faleceu.   


Os outros cinco mortos eram alunos de Ensino Médio, provavelmente entre 15 e 16 anos: Caio Oliveira, Cleiton Antonio Ribeiro, Pablo Henrique Rodrigues, João Vitor Ramos Lemos e Samuel Melquíades Silva de Oliveira. O massacre ocorreu durante o horário de intervalo das aulas.   


"Eles estavam prestes a entrar em uma sala com dezenas de alunos, mas se depararam com a força tática e cometeram suicídio", contou o secretário de Segurança Pública. A polícia disse que os agressores também carregavam uma besta, um arco e flecha e uma machadinha.   


Doria - O governador de São Paulo, João Doria, visitou a escola nesta manhã e disse que viu a cena "mais triste" de sua vida.   


"Estou muito impactado com o que vi nessa escola. Quatro adolescentes foram brutalmente assassinados [o quinto jovem faleceria pouco depois]. E fico muito triste que um fato como esse ocorra no estado de São Paulo", disse o tucano, visivelmente abalado.   


A escola chegou a ser interditada devido à suposta presença de materiais explosivos, que acabou não confirmada. O colégio Professor Raul Brasil tem cerca de 1,6 mil alunos, do sexto ano do Ensino Fundamental ao terceiro do Ensino Médio. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.