PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Italiano supera 'inferno' para conquistar 2 medalhas em Tóquio

05/08/2021 10h41

TÓQUIO, 5 AGO (ANSA) - O nadador Gregorio Paltrinieri, uma das maiores lendas da modalidade na Itália, precisou superar um caminho recheado de obstáculos para conquistar duas medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio.   


Faltando por volta de um mês para o início do megaevento esportivo, o astro da natação italiana foi diagnosticado com mononucleose e sua participação nas Olimpíadas foi colocada em dúvida. Em decorrência da infecção, Paltrinieri precisou interromper os treinamentos.   


Entre os sintomas da mononucleose, que é causada pelo vírus Esptein-Barr, estão febre, dor de garganta e cansaço. Estes indícios podem afetar duramente o desempenho de um atleta, principalmente um fundista, que é um nadador de longa distância.   


"Até saber que eu tinha mononucleose, eu estava me sentindo ótimo. Tudo mudou em um segundo. Tive febre durante uma semana e nada era totalmente certo, nem se eu iria para os Jogos Olímpicos, porque aquilo poderia durar dois ou até três meses. A sensação de cansaço era infinita e não sabia o que iria acontecer", declarou o atleta pouco depois da sua chegada ao Japão.   


Paltrinieri conseguiu se recuperar em tempo recorde e espantou os fantasmas logo na primeira prova em Tóquio. Nos 800m livre, o italiano só perdeu o ouro para o norte-americano Robert Finke, mas o fundista celebrou a conquista como se tivesse subido no lugar mais alto do pódio.   


"Eu não apostava um euro na chance de estar aqui no pódio. É uma situação completamente diferente da que vivi no Rio de Janeiro", celebrou Paltrinieri.   


O italiano, que é natural de Carpi, falhou na tentativa de defender seu ouro olímpico nos 1500m livre, tendo ficado na quarta colocação. No entanto, Paltrinieri não se despediu de Tóquio sem uma segunda medalha no peito.   


O atleta assegurou o bronze para a Itália na prova masculina da maratona aquática de 10km. O emiliano concluiu o percurso em 1h49m01s e ficou 27s4 atrás do medalhista de ouro alemão Florian Wellbrock. A prata, no entanto, foi para o húngaro Kristóf Rasovszky.   


Depois do "inferno" que precisou passar antes das Olimpíadas, Paltrinieri conseguiu a façanha de se tornar medalhista olímpico em duas modalidades diferentes em uma mesma edição dos Jogos.   


"Estou feliz, foi o melhor que pude fazer e essa foi a recompensa certa depois de dois meses de inferno. Hoje foi difícil, não era meu objetivo, mas chegarei em casa com duas medalhas. Estava muito focado e lutei até o fim para conseguir ao menos uma, mas saio com duas. Posso dizer que estou satisfeito, porque dei o meu melhor", comentou o nadador de 26 anos.   


Pensando já na próxima edição das Olimpíadas, que será em 2024, em Paris, Paltrinieri destacou que tentará conquistar medalhas de ouro em três especialidades (800m, 1500m e 10km). (ANSA).   


Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.