Julgamento de Netanyahu por corrupção é retomado em Israel

JERUSALÉM, 4 DEZ (ANSA) - O julgamento do processo que o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, enfrenta por corrupção foi retomado nesta segunda-feira (4), em meio ao conflito do país com o Hamas na Faixa de Gaza.   

O julgamento foi suspenso após o ataque do grupo fundamentalista em 7 de outubro.   

Netanyahu, líder do partido israelense de direita Likud, é acusado de suborno, fraude e quebra de confiança, mas se declara inocente e afirma que as acusações contra ele têm motivação política Também do Likud, o ministro da Cooperação Regional, David Amsalem, chamou a retomada do processo durante a guerra de "desgraça": "Guerra? Reféns? Não, não. A coisa mais importante agora é o julgamento de Netanyahu", escreveu, no Twitter.   

A expectativa é de que o julgamento dure diversos meses. Em caso de eventual apelação, o processo pode demorar anos.   

Em um dos casos abordados, promotores falam em um plano entre Netanyahu e os controladores da gigante de telecomunicações israelense Bezeq para conceder favores do governo em troca de cobertura positiva em um site de notícias da empresa.   

Outro caso diz respeito à relação entre Netanyahu e o produtor de Hollywood Arnon Milchan e outras personalidades.   

Segundo os promotores, entre 2007 e 2016 Netanyahu teria recebido presentes avaliados em US$ 195,000, incluindo caixas de charutos, garrafas de champanhe e joias, em troca de favores financeiros ou pessoais. (ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora