Processo de impeachment

Choro, Deus e desculpas: defesa e acusação de Dilma fazem seus últimos discursos no Senado

Terminou no início da tarde desta terça-feira a última apresentação da defesa e da acusação de Dilma Rousseff durante o julgamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado.

A manhã começou com o discurso da advogada de acusação e autora do processo de impeachment em julgamento, Janaina Paschoal, que chorou durante seu discurso e afirmou que fez o pedido de impeachment "também pensando nos netos dela (Dilma)".

Em seguida, do advogado de acusação Miguel Reale Junior. Para ele, a presidente teve "irresponsabilidade larga" e deve ser punida.

Antes de encerrar seu discurso, Paschoal ainda fez um pedido de desculpas a Dilma Rousseff e disse que "foi Deus que fez com que, ao mesmo tempo, várias pessoas percebessem o que estava acontecendo no país".

Janaina chora e pede desculpas a Dilma

  •  

"Muito embora eu esteja convicta de que estou agindo certo, reconheço que minhas atitudes podem gerar sofrimento. Mesmo estando certa eu peço desculpas à senhora presidente da República Não por ter feito o que era devido, porque eu não poderia me omitir diante de tudo disso. (Mas) porque sei que a situação que ela está vivendo não é fácil (...) e lhe causei sofrimento. Fiz isso pensando também nos netos dela."

Para Paschoal, a defesa "não tem argumentação para fazer frente" à acusação, e por isso insiste na tese de que, no caso das "pedaladas", não se tratava de operações de crédito.

Já o advogado de defesa de Dilma e ex-ministro da Justiça de seu governo, José Eduardo Cardozo, fez o seu discurso no início da tarde, repetindo a tese de que não haveria dolo nas operações de que a presidente afastada é acusada.

Cardozo pediu aos senadores que "não aceitem que nosso país sofra um golpe parlamentar" e que "Dilma não sofra a pena de morte política". Assim como Paschoal, ele também citou Deus em seu discurso.

"Peço a Deus que, se Dilma for condenada, um novo ministro da Justiça tenha a dignidade de pedir desculpas a ela. Que a história absolva Dilma Rousseff se vossas excelências quiserem condená-la. Mas, se quiserem fazer justiça aos que sofreram violência de Estado, julguem pela justiça. Não aceitem que nosso país sofra um golpe parlamentar. Para que Dilma não sofra a pena de morte política", disse Cardozo.

Ele prosseguiu dizendo que "podem acusar Dilma de ter se equivocado", mas que seu afastamento "atinge a honra de uma mulher digna", que "incomodou as elites" e que está sendo alvejada também por seu gênero.

"Mulheres quando são corretas e íntegras, são duras. Mulheres, quando se equiparam em suas disputas com os homens, são autoritárias", criticou.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, fez um intervalo de uma hora para almoço antes de retomar o julgamento. No retorno, ao menos 66 senadores discursarão por até 10 minutos cada.

A previsão do ministro do STF é de que a votação nominal dos senadores, que vai decidir se Dilma será afastada definitivamente do cargo ou voltará para o governo, só ocorrerá na quarta-feira.

Senado tem moral para julgar Dilma, diz Miguel Reale Jr.

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos