Em tour nos EUA, Bolsonaro dirá que associá-lo à extrema-direita é 'fake news'

Ricardo Senra - @ricksenra

Em Washington

  • Sergio Lima/Folhapress

Em sua principal empreitada internacional em 29 anos de carreira política, o pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tentará dissociar sua imagem de radicalismos, apresentando-se como um político de "centro-direita" em visitas no mês que vem a quatro Estados com comunidades brasileiras expressivas nos Estados Unidos.

A agenda deve durar uma semana e incluirá encontros com investidores, militares, intelectuais e políticos conservadores em Miami, Boston, Washington e Nova York - incluindo uma visita ao memorial do 11 de setembro, onde Bolsonaro ressaltará sua "preocupação com a segurança e o combate ao terrorismo".

Além da intimidade com temas de segurança - a principal bandeira de Bolsonaro, que é militar da reserva -, o deputado federal apostará na associação de seus ideais com pautas econômicas do partido Republicano, ao qual pertence o presidente Donald Trump.

A BBC Brasil conversou com o principal articulador da campanha de Bolsonaro nos Estados Unidos, um empresário radicado há décadas no país. Filho de um ex-diplomata, ele faz parte do círculo íntimo da família de políticos, que também inclui o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e o deputado estadual Flavio Bolsonaro (PSC-RJ), e preferiu manter sua identidade em sigilo.

"Jair vai mostrar que, se a candidatura for confirmada, ele será o candidato mais pró-Estados Unidos entre todos os outros em termos de engajamento geopolítico e comercial", adianta o aliado.

"Ele não tem visão terceiro mundista. Lula sempre bateu muito na tecla dos Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A visão do Jair é bem distinta, bem a favor de um alinhamento, uma aproximação maior com os EUA, e essa visita é uma demonstração disso."

Todas as informações foram confirmadas por telefone por Flávio Bolsonaro, que atua na articulação da agenda do pai em território americano.

'Ridículo'

Para reverter uma rejeição de 30% do eleitorado, apontada em pesquisa recente do instituto Datafolha, e atrair para si simpatizantes do prefeito paulistano João Doria (PSDB), que não descarta uma eventual candidatura em 2018, Bolsonaro se apresentará como um político moderado, com uma agenda econômica tradicional entre conservadores americanos, como a defesa ao livre mercado, à redução da influência do Estado na economia e a restrições a atividades sindicais e de movimentos tradicionalmente ligados à esquerda.

Essa narrativa deve ganhar força em uma reunião já confirmada com membros do Council of Americas, tradicional instituição fundada nos anos 1960 pelo bilionário David Rockfeller, que prega a defesa à livre iniciativa e à atividade empresarial como principais ferramentas para o desenvolvimento de países.

A programação do deputado federal nos EUA também inclui um debate com o filósofo Olavo de Carvalho, o analista político Jeffrey Nyquist e jornalistas da rede de TV Fox News.
Jair Bolsonaro também defenderá, segundo o aliado, que o "rótulo de extrema-direita é ridículo".

"Apresentar-se como de direita no passado no Brasil era palavrão há até pouco tempo. Agora é que a direita ficou popular", diz o aliado nos EUA.

"Mas ainda existe uma espécie de eco. Muitos jornalistas internacionais repetem bordões falsos, como este da extrema-direita, e o Jair vai mostrar que isso não é verdade. Não gosto muito do termo, mas vamos mostrar que isso é fake news (ou notícia falsa, em tradução literal)."

O termo se tornou popular nos EUA durante as eleições presidenciais que trouxeram Donald Trump à Casa Branca e é usado diariamente pelo presidente em suas frequentes postagens pelo Twitter.

A afeição do republicano às redes sociais, aliás, deve se repetir em um eventual governo Bolsonaro.

"Todos os Bolsonaros têm uma rede de seguidores muito poderosa, essa é uma semelhança com Trump. Isso vai ser uma área fundamental em termos de comunicação direta com a população, é um meio que ele sabe alavancar muito bem, especialmente com vídeos", diz o aliado.

Atualmente, Bolsonaro tem 4,5 milhões de seguidores no Facebook - 1,5 milhão a mais que Lula, 1,7 milhão a mais que Doria, 2,2 milhões a mais que Marina Silva e 3,8 milhões a mais que Geraldo Alckmin, seus virtuais oponentes em 2018.

Trump e Doria

Mas o pré-candidato também ressaltará diferenças em relação ao polêmico presidente americano.

"Além da conta bancária distinta, o compromisso de Jair é com a verdade. Ele é de certa forma politicamente incorreto, mas tem um compromisso muito grande com a verdade, o que nem sempre é o caso do Trump, que fala de fake news, mas muitas vezes joga coisas que também são fake (falsas)."

A experiência da adversária de Trump nas eleições presidenciais do ano passado também está sendo estudada pela equipe de Bolsonaro.

"Uma das coisas que influenciaram a favor de Hillary Clinton nas eleições foi o uso de ferramentas virtuais de forma sofisticada. Nós também estamos examinando essas ferramentas de comunicação de ponta com muito interesse", afirma o apoiador de Bolsonaro nos EUA, sem dar mais detalhes sobre os planos na área.

Questionado sobre a popularidade do prefeito de São Paulo, apontado como principal pedra no sapato de Bolsonaro no eleitorado de direita, o empresário diz que a experiência política do deputado federal e a associação de sua imagem a questões de segurança pública são os principais trunfos dele, caso os dois estejam na corrida presidencial.

"O Doria tem essa imagem de um bom gestor, mas na verdade ele só faz campanha, vive viajando e não está administrando uma cidade de 20 milhões de pessoas. Os índices de rejeição dele nas pesquisas estão crescendo bastante, e isso pegou até a nós mesmos de surpresa", avalia.

Ainda segundo o empresário, caso Geraldo Alckmin e Doria sejam candidatos simultaneamente em 2018, a divisão do eleitorado do PSDB ajudará Bolsonaro a ir para o segundo turno.

"O posicionamento do Jair se equilibra em um tripé: tripé segurança nacional e internacional; economia a favor do mercado, dos investimentos e dos negócios, e uma área social mais conservadora", diz o aliado. "A honestidade conta a favor dele."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos