Brasil elimina disparidades entre homens e mulheres na educação e na saúde, mas política e economia derrubam país em ranking global

Renata Moura - Da BBC Brasil em Londres

Da BBC Brasil, em Londres

O Brasil é um dos países mais igualitários do mundo quando o assunto é o acesso de homens e mulheres à educação e saúde, mas figura entre aqueles onde mais imperam disparidades de gênero nos campos político e econômico.

A conclusão faz parte do "The Global Gender Gap Report 2017", um estudo divulgado pelo Fórum Econômico Mundial nesta quinta-feira, que revela o tamanho da desigualdade em 144 países e aponta quais seriam os ganhos com a reversão desse quadro.

Os dados mostram que desde o início da série histórica, em 2006, é a primeira vez que a igualdade de gênero retrocede globalmente. No Brasil, porém, o nível de desigualdade é o maior desde 2011 - o país caiu 23 posições no ranking, figurando em 90º lugar na lista global e com o terceiro pior desempenho na região que engloba América Latina e Caribe, depois apenas de Paraguai e Guatemala.

A igualdade é medida no levantamento em uma escala de 0 a 1 - quanto mais próximo a 1, maior a igualdade entre homens e mulheres. Para o Brasil, a nota registrada em 2017 ficou em 0,684, a menor desde 2011, quando estava em 0,668.

"A posição atual do Brasil no relatório se deve a duas disparidades de gênero em particular - a política e a econômica", disse por email à BBC Brasil Vesselina Stefanova Ratcheva, economista e coautora do relatório.

Segundo ela, o país pouco progrediu ao longo dos últimos dez anos no sentido de resolver o problema no campo econômico. Nessa área, perdeu 20 posições de 2006 para cá, passando do 63º para o 83º lugar - os principais gargalos são as disparidades de salários em funções semelhantes e de renda obtida por meio do trabalho.

Política

A desigualdade na política é outro gargalo, observa a economista.

"Nosso índice constata que 2017 tem a menor igualdade de gênero em cargos políticos no Brasil desde que começamos a calculá-lo, em 2006. Isso contrasta com uma região que, na média, se atua fortemente para a inclusão das mulheres no campo politico."

A participação feminina é medida pelo chamado "empoderamento político", e é considerada um dos principais problemas para o país em relação à desigualdade. O Brasil foi da 86ª para a 110ª posição no período de 11 anos englobado no relatório - embora sua nota tenha subido de 0.061 para 0.101, o que indica um ambiente mais igualitário.

O estudo coloca o país entre os piores em dois aspectos: mulheres no parlamento e em posições ministeriais, rankings em que ocupa, respectivamente, a 121ª e a 134ª posições.

Segundo o Fórum Econômico Mundial, a maior igualdade nesse âmbito foi registrada entre 2011 e 2015, período que engloba a governo Dilma Rousseff. Seu sucessor, Michel Temer, foi duramente criticado ao assumir o governo nomeando apenas ministros homens - após as críticas, ele nomeou mulheres para posições de destaque.

Avanços

Nos campos da educação e da saúde, o Brasil se mantém em posição estável e de liderança nos últimos anos, dividindo o topo do ranking com pouco mais de 30 países. Mesmo assim, ainda enfrenta desafios, diz a coautora do relatório.

"Hoje, o Brasil acabou com a desigualdade de gênero em nível educacional, mas, como em muitas outras economias em todo o mundo, desequilibra na contratação, retenção e remuneração, entre vários fatores analisados no relatório, que impedem uma maior integração das mulheres no mercado de trabalho - e de forma igualitária em todos os setores", observa Ratcheva.

Nesse campo, o relatório também leva em consideração o nível educacional de homens e mulheres que chegam ao mercado de trabalho.

O Brasil foi o único país da América Latina e um dos seis, em meio às 144 nações, a eliminar a desigualdade entre homens e mulheres na área de educação. Em saúde e sobrevivência, a diferença também está próxima do fim. Tais resultados são semelhantes aos registrados nos últimos anos.

Neste ano, somente outros cinco países conseguiram resolver as disparidades nas duas áreas: República Checa, Letônia, Lituânia, Eslováquia e Eslovênia.

No que diz respeito à educação, são consideradas a taxa de alfabetização e de matrículas nos ensinos primário e secundário. Na saúde, a análise se dá sobre a razão entre os sexos no nascimento e a expectativa de vida saudável entre eles.

Ganhos com a igualdade

Globalmente, o estudo observa que apenas 58% da desigualdade de gênero foi resolvida pelos países, o pior índice desde 2008.

Segundo o estudo, a igualdade deve resultar em ganhos econômicos expressivos, que variam de acordo com o contexto de cada país.

O texto não traz estimativas específicas para o Brasil, mas no caso do Reino Unido, por exemplo, mostra que avançar nessa área significaria um reforço adicional de US$ 250 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB).

Nos Estados Unidos, o valor projetado é de US$ 1,7 trilhão.

Há um longo caminho, no entanto, até que as disparidades registradas no estudo sejam eliminadas. No atual estágio, estima-se que a Europa Ocidental será a região a resolver o problema mais rápido, mas ainda assim daqui a 61 anos. Na área que englobe a América Latina e o Caribe - e que inclui o Brasil - serão necessários 79 anos. Para a América do Norte, o tempo previsto chega a 168 anos.

Outro ponto destacado pelo estudo é a fraca presença feminina em áreas como engenharia, indústria e construção, bem como nos segmentos de comunicação e tecnologia. Áreas que, afirma o relatório, estão abrindo mão dos os benefícios da diversidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos