PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

O que deu errado com os millennials, geração que foi de ambiciosa a 'azarada'

Mais conectada do que qualquer geração anterior, a millennial tem sido criticada por seu aparente fracasso - Getty Images
Mais conectada do que qualquer geração anterior, a millennial tem sido criticada por seu aparente fracasso Imagem: Getty Images

Paula Adamo Idoeta - Da BBC News Brasil em São Paulo

Da BBC News Brasil, em São Paulo

24/07/2021 15h13

Mais conectada do que qualquer geração anterior, a millennial tem sido criticada por seu aparente fracasso; analista geracional explica, porém, que culpa da frustração é do cenário econômico - e não dos millennials em si.

A primeira geração a conviver desde cedo com computadores pessoais, smartphones, internet e o fluxo global de informações tinha grandes expectativas sobre si própria: com mais anos de educação em relação a seus pais e de composição mais socialmente diversa, os millennials sonhavam com mais prosperidade e impacto global do que muitas gerações que vieram antes.

No entanto, pesquisas internacionais apontam que os millennials - cuja idade atualmente varia entre 26 e 40, mais ou menos - são mais propensos a ter dívidas do que seus antepassados e levam mais tempo, em média, para sair da casa dos pais ou para atingir marcos tradicionais da vida adulta, como comprar um imóvel ou carro próprio.

Essa desconexão entre expectativa e realidade fez com que millennials virassem alvo de memes ou comentários depreciativos na internet sobre seu aparente "fracasso", "preguiça" ou dependência maior em relação aos pais.

E, para piorar, os millennials agora recebem os olhares de desdém da geração Z, a que vem em seguida deles - e para a qual boa parte do que é associado aos millennials é vista como "cringe", ou vergonhoso.

O que, afinal, deu errado para os millennials - e será que eles realmente fracassaram?

A resposta de muitos pesquisadores é, antes de mais nada, que a culpa não é exatamente dos millennials: é, primordialmente, da situação da economia.

"A geração millennial virou adulta nos primórdios dos smartphones e da conectividade. Então, de alguma forma, estava no lugar certo e na hora certa para desenvolver grandes ideias sobre seu papel no mundo", explica à BBC News Brasil Jason Dorsey, especialista em perfis de millennials e presidente da empresa americana Center for Generational Kinetics, que pesquisa hábitos globais de millennials e da geração Z.

"Seus pais lhes disseram que seriam bem-sucedidos, eles tiveram amplo acesso a educação, em comparação com gerações anteriores, e havia um grande senso de conexão e de causar impacto."

Mas essa geração se deparou com grandes recessões, como a que se arrastou pelo mundo após a crise financeira de 2008 a 2009 e, no Brasil, com o período de contração econômica iniciado em 2014 e agora agravado pela pandemia.

"De muitas formas, os millennials estavam posicionados a serem muito bem-sucedidos - ou pelo menos foi o que disseram a eles. E a realidade é que muitos millennials se chocaram com uma algum tipo de grande recessão, com demissões em massa, inflação, estagnação salarial, aumento no custo de vida", prossegue Dorsey.

Geração 'mais azarada da história dos EUA'

A fala do especialista é corroborada por alguns dados estatísticos. Nos EUA, reportagem de junho de 2020 do jornal The Washington Post apontou a geração millennial como a "mais azarada da história dos EUA".

"Levando-se em conta a crise atual (da pandemia de covid-19), o millennial, em média, vivenciou crescimento econômico mais lento desde sua entrada no mercado de trabalho do que qualquer outra geração na história do país", diz a reportagem.

"Os millennials levarão as cicatrizes econômicas disso para o resto de sua vida, na forma de rendimentos salariais mais baixos, prosperidade menor e marcos de vida adiados, como a aquisição de casas."

No caso do Brasil, uma pesquisa de 2019 do banco Itaú BBA sobre hábitos dos millennials apontava que essa geração já compunha a maior parcela (34% do total) da população brasileira e cerca de 50% da força de trabalho.

Eles tinham mais propensão do que outras gerações a acreditar que poderiam melhorar o mundo e níveis mais altos de educação: mais da metade havia completado o ensino médio ou já cursava a universidade, e 23% já tinham curso superior completo.

No entanto, já sofriam com altas taxas de desemprego, principalmente entre a parcela de millennials mais jovens.

Agora na pandemia, embora a geração mais afetada pela escassez de trabalho seja mais jovem, os índices de desemprego também são altos - em torno de 14% - na faixa etária de 25 a 39 anos, a dos millennials, no Brasil.

E esse grupo de pessoas coincide também com uma faixa etária que já havia sido duramente atingida pela crise econômica de 2015.

Os marcos de cada geração

É claro que toda geração enfrenta desafios próprios e o que Dorsey chama de "momentos de definição" - ou os acontecimentos que marcam a geração de tal modo que influenciam seus medos, suas escolhas educacionais e de vida, seus valores e sua percepção acerca do futuro.

A geração "silenciosa" (nascida entre 1928 e 1945), por exemplo, foi profundamente marcada pela Segunda Guerra Mundial. Em seguida, os "baby boomers" (1946-64) vivenciaram eventos globais como a Guerra do Vietnã ou a chegada do homem à Lua. A geração X (1965-1980), que veio depois, viu o fim da Guerra Fria e o avanço da aids. A atual geração Z (nascida entre meados e final dos anos 1990), por sua vez, certamente será fortemente marcada por sua experiência na atual pandemia.

Além disso, gerações inteiras podem ser impactadas por eventos de magnitude local, como terremotos, epidemias ou fatos políticos traumáticos.

Então, o que diferencia a geração millennial?

Os pontos principais, diz Jason Dorsey, são o aumento considerável no custo de vida (particularmente em educação e, em muitas cidades do mundo, de habitação) e o alcance cada vez mais global de eventos que talvez não tivessem tanto impacto se não vivêssemos em um mundo tão interconectado.

"Até a chegada da GenZ, os millennials formavam a geração mais parecida (entre si) no mundo. Significa que as pessoas são iguais? Não. Mas significa que têm muitas similaridades em como pensam em comunicação, entretenimento, cultura, engajamento em política. (...) Economias estão muito mais conectadas, assim como sistemas bancários e cadeias produtivas. E, se olharmos para os empregos, muitas das grandes empregadoras são multinacionais. Então a geração tem um sentimento de interconexão que não existia antes", aponta o especialista.

"Millennials tiveram mais consciência dos eventos globais porque o fluxo de informação e a interconexão fizeram com que algum evento que não necessariamente fosse global acabasse se tornando global. Não me refiro à categoria de eventos como as guerras mundiais, mas à ideia de que uma crise bancária em um país tenha um efeito tão grande em outros e se espalhe pelo mundo. Isso é muito significativo."

'Economia compartilhada' e insegurança profissional

Para completar, os millennials se deparam com uma insegurança profissional mais acentuada do que a sentida pela geração de seus pais, de modo geral.

Ajustes fiscais, flexibilização de regras trabalhistas, competitividade no mercado de trabalho e o avanço da economia compartilhada - com seus benefícios e problemas - são algumas das circunstâncias que fazem com que os millennials tenham uma vida profissional às vezes mais flexível e aberta à criatividade; às vezes, mais incerta e precarizada.

"Millennials se tornaram adultos com um tipo de contrato empregado-empregador muito diferente em relação ao da geração anterior", explica Dorsey.

"Nossas pesquisas mostram que eles não tinham expectativa de trabalhar em uma só empresa a vida toda, nem de ter o mesmo empregador para o resto da vida. (...) Então há uma sensação de empolgação e liberdade, a ideia de que 'posso criar minha própria carreira', mas ao mesmo tempo há a desvantagem: os empregadores podem não oferecer os mesmos benefícios de antes em seguridade, plano de saúde, etc. A responsabilidade disso acaba passando do empregador para o millennial. Em alguns casos isso funcionou bem; em outros, não", diz ele.

"O mesmo acontece com a economia compartilhada. A ideia de que 'posso usar meu carro quando quiser para transportar pessoas' me dá grande flexibilidade, mas será que esse trabalho não vai me impedir de ter um emprego mais formal? Será que isso não vai acabar eliminando outros empregos formais? Não tenho respostas, mas são inovações que têm lados positivos e negativos, e os negativos impactam de modo desproporcional uma geração mais do que outra."

Isso se traduz também em fenômenos como a "pejotização" e a informalidade de trabalhadores, tanto no Brasil quanto em outros países.

São os reveses desse conjunto de circunstâncias que causam sensação de frustração entre os millennials, aponta Jason Dorsey.

"Eles se chocaram com esses desafios que lhes obrigaram a adiar muitas coisas (conquistas): atrasar sua carreira, seu casamento, ter filhos, comprar uma casa, economizar para a aposentadoria... Eles começaram a sentir que muitos objetivos ou metas que tinham estabelecido para si foram reprimidos. E mesmo os mais afortunados que seguiam trabalhando e avançando tinham a sensação de que havia muitas forças contrárias a eles", prossegue.

"Dá para se argumentar que essa geração, por elementos alheios a seu controle, sente que as coisas estão mais distantes de seu alcance do que em gerações anteriores."

Os pontos fortes dos millennials

Mas nem tudo vai mal para essa geração, longe disso: ela é mais aberta à diversidade e mais atenta ao impacto de seus hábitos de consumo do que as gerações anteriores, por exemplo.

É, ainda, a primeira geração a começar a tomar atitudes contra a desigualdade profissional e salarial entre homens e mulheres - embora Dorsey acredite que mudanças mais profundas provavelmente ficarão a cargo da geração Z.

Os millennials também valoram muito o empreendedorismo - na média, mais do que seus pais ou avós.

"Foi a (primeira) geração a ver empreendedores como mentores ou inspiração. Em outras gerações, (a inspiração) talvez viesse de presidentes de grandes empresas, de chefes de governo ou de ocupantes de outros papéis. Mas millennials viraram adultos em um momento em que a internet colocava os empreendedores em pedestais", explica Dorsey.

"Além disso, os millennials conseguem abrir negócios na internet, de forma muito mais barata. No entanto, o que vimos é que muitos millennials abriram negócios em paralelo a outros trabalhos (como um complemento de renda)."

Outra curiosidade: Dorsey tem visto em suas pesquisas um número crescente de millennials mais velhos - os que estão perto dos 40 anos - repensando suas escolhas profissionais e buscando novos rumos em suas carreiras, algo que talvez não fosse cogitado por muitos de seus pais quando tinham essa mesma idade.

"Parte disso (dessa reavaliação profissional) se deve ao estágio da vida, e muitos millennials que se sentem desiludidos com seus caminhos e agora estão avaliando outras opções para a segunda metade da sua carreira", diz Dorsey.

"Outra parte disso se deve à pandemia, que fez muitos millennials pensarem profundamente a respeito do que é importante para eles e como gastam seu tempo, incluindo o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e seu propósito de vida. Isso se traduz em procurar outras carreiras, ou outros estilos de trabalho."

De modo geral, diz Dorsey, ele e seus colegas pesquisadores geracionais são "muito otimistas quanto aos millennials".

"Os millennials têm ótimas habilidades, são relativamente jovens, vão se beneficiar do que houver de recuperação econômica nos próximos anos e têm muito tempo à frente para tomar decisões e encontrar seu propósito", afirma.

"De um lado, tiveram azar, mas por outro lado ainda têm tempo para tirar proveito. E em muitos países (caso do Brasil) os millennials representam a maior parte da força de trabalho ativa no momento e a maior geração em cargos de chefia - estão contribuindo ativamente para a economia."

As divisões entre gerações, de "silenciosos" à Z

Por fim, pode ser que nomenclaturas geracionais soem como brincadeira ou mera curiosidade. Mas, para pesquisadores, essas divisões têm bastante importância: "são uma ferramenta para analisarmos mudanças de visões ao longo do tempo", explica em texto Michael Dimoch, presidente do Pew, um importante instituto de pesquisas nos EUA.

"Esses cortes são uma forma de entendermos a forma como diferentes experiências formativas (como eventos globais e mudanças tecnológicas, econômicas e sociais) interagem com o ciclo de vida e o envelhecimento de modo a moldar a visão que as pessoas têm do mundo."

Os millennials são definidos pelo Pew como quem nasceu entre 1981 e 1996.

Já no caso do Center for Generational Kinetics, de Jason Dorsey, esse intervalo é levemente diferente: entre 1977 e 1995.

Mais do que o ano inicial em si, a geração é determinada "por seu contato inicial com a tecnologia, se vivia em áreas urbanas ou suburbanas, qual foi o nível de renda e educação de seus pais, porque (por conta disso) cada pessoa pode ter sido introduzida à tecnologia mais cedo ou mais tarde", diz ele.

"Mas encerramos (a geração millennial) em 1995 por causa do 11 de Setembro, que foi muito marcante em várias partes do mundo. E quem nasceu depois de 1995 não se lembra do 11 de Setembro."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=UOkA2sBugf8

https://www.youtube.com/watch?v=JggNKqaw3gc

https://www.youtube.com/watch?v=IxSOyfxG688