EUA propõem endurecer sanções à Coreia do Norte

Estados Unidos apresentam ao Conselho de Segurança da ONU rascunho de resolução em resposta a testes nucleares e de mísseis feitos por Pyongyang. Proposta é resultado de semanas de negociações entre Washington e Pequim.

Os Estados Unidos apresentaram ao Conselho de Segurança da ONU nesta quinta-feira (25/02) o rascunho de uma resolução que, em resposta aos últimos testes nucleares e de mísseis da Coreia do Norte, endureceria as punições já impostas a Pyongyang e estabeleceria o pior regime de sanções da ONU em mais de 20 anos.

O rascunho, ao qual a agência de notícias Reuters teve acesso, prevê que Estados-membros da ONU conduzam inspeções obrigatórias de todas as cargas que transitem por seus territórios com destino à Coreia do Norte ou proveniente do país asiático, em busca de mercadorias ilícitas. Isso fecharia o cerco do embargo de armas da ONU a Pyongyang, ao impedir a importação e a exportação de qualquer tipo de armamento.

Também seria proibida a transferência para a Coreia do Norte de qualquer item que pudesse contribuir diretamente com as capacidades operacionais das Forças Armadas norte-coreanas, como caminhões que pudessem ser modificados para fins militares. Outras medidas propostas incluem a proibição de fornecer qualquer combustível para aviões ou foguetes para a Coreia do Norte.

A embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Powel, disse que, se aprovadas, as medidas serão "o conjunto mais forte de sanções imposto pelo Conselho de Segurança da ONU em mais de duas décadas".

"Durante mais de uma década, apesar dos esforços da comunidade internacional, a Coreia do Norte deu passos progressivos em direção a seu objetivo de desenvolver mísseis balísticos intercontinentais com cargas nucleares", afirmou Powel.

O rascunho é o resultado de sete semanas de difíceis negociações entre os EUA e a China, vizinha da Coreia do Norte e o principal aliado de Pyongyang. Pequim e Washington haviam divergido sobre como responder ao mais recente teste norte-coreano, em janeiro deste ano, com a China enfatizando o diálogo e medidas mais leves.

"Esperamos e acreditamos que esta nova resolução possa efetivamente ajudar a impedir que a Coreia do Norte continue desenvolvendo seu programa nuclear e de mísseis", disse a porta-voz do Ministério do Exterior chinês, Hua Chunying.

Diplomatas afirmaram esperar que a resolução seja votada no próximo sábado. A Coreia do Norte está submetida a sanções da ONU desde 2006, devido a seus vários testes nucleares e lançamentos de mísseis.

LPF/rtr/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos