Em Hiroshima, Obama defende mundo sem armas nucleares

Na primeira visita de um presidente americano ao Memorial da Paz, Obama diz que o mundo não deve cometer os erros do passado e presta homenagem às vítimas da bomba atômica lançada pelos EUA em 1945.

Em visita histórica ao Parque Memorial da Paz de Hiroshima, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta sexta-feira (27/05) que é necessário reduzir os estoques globais de armas nucleares e avançar para um mundo livre de arsenais destrutivos.

"Há 71 anos a morte caiu do céu, e o mundo mudou. Não somos obrigados a repetir os erros do passado", afirmou Obama, primeiro presidente americano a visitar o monumento dedicado às 140 mil vítimas da bomba atômica lançada pelos EUA na cidade japonesa em 1945.

"Viemos para refletir sobre a terrível força empregada num passado não tão distante", disse, ao deixar uma coroa de flores em frente ao memorial, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe. "Palavras não podem dar voz a tanto sofrimento", completou Obama, ao pontuar que é necessário evitar que algo semelhante se repita.

Pedido de desculpas

Questionado por um grupo de veteranos japoneses a reconhecer que o lançamento da bomba atômica foi um erro dos EUA durante a Segunda Guerra, Obama respondeu em comunicado que não vai "revisitar" a decisão que permitiu o uso de armas nucleares em Hiroshima e Nagasaki. Antes da visita, ele já tinha avisado que não faria um pedido oficial de desculpas.

"Mas devo salientar que o primeiro-ministro Abe e eu virmos juntos a Hiroshima mostra ao mundo a possibilidade de reconciliação - que até antigos adversários podem se tornar os mais fortes dos aliados", escreveu.

Em discurso em frente ao memorial, Abe disse que a visita de Obama abre um novo capítulo na reconciliação entre os EUA e o Japão. O presidente americano também cumprimentou sobreviventes da bomba nuclear.

Nesta semana, Obama já passou pelo Vietnã, onde anunciou o fim do embargo da venda de armas ao país, e participou da reunião do G7 na cidade japonesa de Shima. A visita oficial à Ásia tem o objetivo de estreitar os laços com países do sudeste asiático num momento em que a China empreende um avanço marítimo militar no Mar do Sul da China.

KG/afp/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos