Dallas tenta tirar de massacre lição contra o racismo nos Estados Unidos

Ines Pohl, de Dallas (pv)

  • Eric Gay/AP Photo

    Mulheres se cumprimentam em igreja, antes de em homenagem aos cinco policiais mortos por um atirador em Dallas

    Mulheres se cumprimentam em igreja, antes de em homenagem aos cinco policiais mortos por um atirador em Dallas

Moradores da cidade, que se vê como exemplo no combate a racismo, buscam dar sentido à tragédia, enquanto país teme escalada da violência. "Como respondemos, vai mostrar caminho a uma nação dividida", apela jornal local.

As luzes dos carros policiais dominam a paisagem de Dallas. Já passou das 8h da noite, mas no verão nunca esfria direito no centro da terceira maior cidade do estado do Texas. É como se o calor escaldante do dia tivesse se pregado em asfalto e concreto.

Ting Shen/The Dallas Morning News via AP
Policial de trânsito chora após receber a notícia da morte de colegas na quinta (7)

Marcus Carter está sentado com seus amigos em frente a uma daquelas fitas policiais amarelas usadas para isolar cenas de investigação. Na área isolada, vários pequenos cones amarelos estão posicionados sobre a grama. Sempre que passa um bonde, Carter estende seu punho com raiva no ar. Ele está vestindo uma camiseta branca com a inscrição "Black Lives Matter, Dallas" (vidas de negros importam, Dallas).

"Estamos cansados, estamos de saco cheio de todo esse racismo. Se não mudar algo em breve, isso vai acabar mal", diz Carter. Uma ameaça que fica mais alta a cada gole. Os policiais mantêm a calma, certificam-se de que Carter e seus amigos não tropecem nos trilhos quando um trem passa. Seus gestos expressam respeito, mesmo com as acusações serem de que exatamente o oposto ocorre.

Vídeos na internet como provas

Nesta semana, dois jovens negros foram mortos por policiais brancos durante averiguações de rotina dentro de apenas 48 horas. Primeiro em Louisiana, depois em Minnesota. Impulsionadas pela divulgação de vídeos na internet, que comprovam os assassinatos, milhares de pessoas participaram de protestos e manifestações em massa. Também em Dallas.

Na cidade texana, assim como em muitas outras cidades, a convocação popular partiu do grupo ativista "Black Lives Matter". Inicialmente, tudo correu tranquilamente. Brancos, negros, imigrantes de América do Sul e Ásia marcharam juntos pelas ruas de Dallas. De repente, tiros foram disparados, e a multidão dispersou em correria.

Atirador de Dallas queria matar pessoas brancas, diz polícia

  •  

Até as altas horas da manhã seguinte não estava claro o que exatamente tinha acontecido. Apenas, que cinco policiais tinham sido baleados. Com o decorrer das investigações, descobriu-se que um único atirador tinha se escondido num edifício para cometer os assassinatos.

Pouco tempo antes de ser morto por um robô da polícia, Micah Johnson disse a policiais que seu propósito era matar pessoas brancas - principalmente policiais brancos. A imprensa americana informou que ele serviu como soldado no Afeganistão, mas foi dispensado porque tinha assediado mulheres das Forças Armadas.

Um memorial espontâneo

O policial Mike Walton olha para uma pequena praça em frente à entrada da sede da polícia. Lá estão estacionados dois carros policiais, quase imperceptíveis sob as montanhas de flores e notas com mensagens aos parentes dos policiais assassinados. Mensagens de condolências, com orações e algumas com desenhos de crianças. Bexigas nas cores da bandeira americana tremulam ao vento quente, no chão velas acessas. É um memorial espontâneo para o qual pessoas de toda a região peregrinam para orar, cantar, chorar ou simplesmente ficar em silêncio.

"Nada mais será como era antes", afirma Walton. Ele esfrega os olhos. Talvez para tirar o suor, talvez para enxugar as lágrimas. "E mesmo assim precisamos seguir, procurar por caminhos comuns."

Spencer Platt/Getty Images/AFP
Moradores visitam um memorial criado em frente à sede do departamento de polícia de Dallas

Há 25 anos ele trabalha como policial em Dallas. Como representante sindical, ele codesenvolveu a estratégia da polícia local de frear a escalada da violência. Walton tinha orgulho de que, em comparação com cidades do mesmo porte, os confrontos entre civis e policiais eram raros em Dallas.

"Sempre procuramos trabalhar em equipes mistas. A violência entre policiais brancos e cidadãos negros é um grande problema", diz.

Um problema nacional

Um problema que os Estados Unidos não conseguem controlar. Um problema que levanta a grande questão em qual direção o país se desenvolverá. "Não devemos nos deixar sermos guiados por ódio e raiva", afirma Dorris Kenny, uma mulher negra que vive na área há 40 anos.

Ela se diz orgulhosa de que a cidade tem feito muitas coisas corretamente. Uma cidade que estava num bom caminho em lidar com os desafios de uma sociedade de imigrantes, de não ignorar o racismo, mas em encontrar uma maneira de lidar com ele. Mas Kenny teme que isso possa mudar agora. Em Dallas, mas também no resto dos EUA.

Maria R. Olivas/AP
Mãe acalma criança após tiroteio iniciado na manifestação contra a violência policial em Dallas

"Há políticos que inflamam sentimentos racistas. Isto é perigoso e não podemos permitir", afirma. No final das contas, a pergunta de qual caminho os EUA querem trilhar está na pauta das eleições presidenciais de novembro."Queremos continuar a trabalhar para que o país seja um lar para todos ou voltar a instigar uma perigosa guerra racial?"

Em editorial de primeira página, o jornal The Dallas Morning News instou a cidade a emergir como um exemplo de como unir o país. "Nosso país parece capaz de desmorar de uma forma que não víamos há várias décadas", diz o texto. "Como respondemos a isso, vai ajudar a mostrar o caminho a uma nação dividida."

Constantemente, pessoas pegam espontaneamente as mãos de outros cidadãos para rezar em conjunto. Em longas filas ou em círculos pequenos, entre jovens e velhos - muitos vindos de diferentes países e continentes -, mãos negras seguram mãos brancas. Neste momento de dor, de luto e também de raiva, não importam condição social ou cor da pele.

Beth Harrington, que veio com a filha Kyle e o filho Camron, tem o mesmo desejo de tantas outras pessoas: que as mortes dos policiais não tenha sido em vão. "Eles sacrificaram suas vidas exatamente para que nós estejamos aqui hoje, sem influenciar uns aos outros com ódio, mas agora mais do que nunca lutar por um futuro comum", diz.

À noite se formam tempestades. Esfria um pouco. Uma pequena pausa neste verão, em que um país tem que decidir qual caminho quer seguir.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos