Novo cessar-fogo na Síria começa à meia-noite

Presidente russo diz que acordo, mediado por Rússia e Turquia, vale para todo o país e será seguido de negociações de paz. Grupos terroristas são excluídos.O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou nesta quinta-feira (29/12) que o regime do presidente Bashar al-Assad e rebeldes assinaram um acordo de cessar-fogo para o conflito na Síria e concordaram em iniciar negociações de paz. O cumprimento da trégua será monitorado por representantes de Ancara e Moscou. A Turquia apoia os rebeldes, enquanto a Rússia é a principal aliada de Assad no conflito. "Três documentos foram assinados. O primeiro entre o governo sírio e a oposição armada prevê um cessar-fogo em todo o território da Síria. O segundo determina medidas para verificar o cessar-fogo. O terceiro é um anúncio da disposição para o início das conversações de paz", disse Putin. De acordo com o ministro russo da Defesa, Serguei Shoigu, o acordo entrará em vigor à meia-noite desta sexta-feira. A medida foi confirmada pelo Exército sírio em comunicado, que acrescentou que a trégua nos confrontos ocorrerá em todo o país e destacou o sucesso das forças de segurança na conquista de Aleppo. Shoigu afirmou ainda que os grupos rebeldes que assinaram os documentos abrangem cerca de 62 mil insurgentes e que as negociações para a trégua já ocorriam há dois meses. A Coalizão Nacional Síria – um dos principais grupos de oposição ao regime de Damasco – confirmou que apoia o cessar-fogo e pediu para que todos os envolvidos no conflito cumpram a medida. Leia mais: Quais são as forças que combatem na Síria? Com o cessar-fogo, Moscou anunciou também que reduzirá sua presença militar no país e manterá o apoio a Assad. Grupos terroristas de fora Após o anúncio de Putin, a Turquia saudou o cessar-fogo. O Ministério turco da Defesa afirmou que grupos classificados como organizações terroristas pelo Conselho de Segurança da ONU foram excluídos do acordo. Entre eles está o "Estado Islâmico" (EI) e a Frente Fateh al-Sham (Frente para Conquista do Levante, novo nome da antiga Frente al-Nusra), que era um braço da Al Qaeda. Rebeldes sírio, porém, afirmaram que o cessar-fogo excluiu apenas membros do EI e não da Frente Fateh al-Sham. O ministério disse que oposição e regime concordaram em interromper todos os ataques, incluindo aéreos, e em não tentar ampliar os territórios que controlam. Além disso, representantes do governo sírio e de rebeldes se reunirão, em breve em Astana, no Cazaquistão, para iniciar as negociações de paz, que serão novamente mediadas pela Turquia e pela Rússia. Desde março de 2011, a guerra no país deixou mais de 312 mil mortos, incluindo 90 mil civis, entre os quais 16 mil crianças, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O número de mortos inclui mais de 53 mil rebeldes e cerca de 110 mil combatentes pró-regime, entre forças do governo e milicianos, também estrangeiros. A ONG disse ainda que 55 mil jihadistas foram mortos em combates. CN/rtr/afp/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos