Comissão especial aprova texto da reforma trabalhista

Deputados ratificam, por 27 votos a 10, parecer do relator Rogério Marinho. Proposta do governo Temer, que altera vários pontos da legislação trabalhista e tramita em regime de urgência, segue para o plenário da Câmara.A comissão especial que analisa a reforma trabalhista na Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (25/04), por 27 votos a 10, o parecer do relator Rogério Marinho (PSDB-RN). Em razão do início da ordem do dia na Casa, o presidente da comissão, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), encerrou a sessão sem analisar os destaques apresentados pelos membros do colegiado. Esses pedidos de alteração do texto perdem o efeito e poderão ser reapresentados no plenário. A proposta, que tramita em regime de urgência, deve ir à votação no plenário da Câmara nesta quarta-feira, segundo afirmou o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para sua aprovação, é necessário o apoio da maioria simples dos deputados presentes na sessão. A reunião da comissão para a apreciação do relatório começou por volta das 11h30 e durou mais de seis horas, marcada por um embate entre parlamentares da base aliada ao governo e da oposição. Enquanto os governistas afirmam que a reforma vai modernizar as relações de trabalho e estimular a geração de empregos, a oposição argumenta que a proposta retira direitos dos trabalhadores. Uma discussão ainda mais acalorada é esperada para a votação no plenário da Câmara nesta quarta-feira. A análise deve ser encarada como o primeiro grande teste para a força do governo em convencer a sua base e passar a ainda mais polêmica reforma da Previdência. Reforma trabalhista A proposta original apresentada pelo governo do presidente Michel Temer passou por algumas alterações, mas o espírito de flexibilizar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) foi mantido no texto do relator Marinho. Ele propõe que patrões e empregados possam fechar acordos coletivos em uma empresa independentemente do que prevê a lei trabalhista. Dessa forma, se houver acordo, modalidades hoje proibidas poderão ser negociadas. Entre elas estão o parcelamento de férias (em até três vezes) e o aumento da jornada diária para até 12 horas (com limite de 48 horas por semana). O relatório propõe ainda acabar com o pagamento das chamadas "horas in itinere", as horas destinadas ao trajeto do empregado desde sua residência até o trabalho, que em alguns casos podem gerar o pagamento de horas extras. Pela proposta, essas horas não integram mais a jornada. A reforma também acaba com a obrigatoriedade da contribuição sindical, tornando-a facultativa. Se aprovado na Câmara nesta semana, o texto segue então para a análise do Senado Federal. EK/abr/dw/ots

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos