Papa Francisco encerra viagem ao Egito

Em visita de dois dias ao país do Norte da África, líder da Igreja Católica apela por harmonia entre cristãos e muçulmanos. Visita do pontífice foi acompanhada de forte esquema de segurança.No segundo e último dia de sua viagem ao Egito, o papa Francisco foi recebido neste sábado (29/04) por cerca de 15 mil fiéis para uma missa num estádio nos arredores do Cairo. Acompanhado de vários guarda-costas, ele foi conduzido num carrinho de golfe aberto em meio à multidão. As leituras da missa foram celebradas em árabe, enquanto o sermão do pontífice foi feito em italiano, sendo traduzido para o árabe por um padre. Com vista à violência de cunho religioso, o líder da Igreja Católica defendeu uma fé que levasse o amor a todos sem distinção. "A fé consegue espalhar o diálogo, o respeito e a fraternidade", disse Francisco na ocasião. O Papa acrescentou que a fé exorta as pessoas a lutar pelo direito dos outros com o mesmo entusiasmo que se defendem os próprios direitos. Segundo o Santo Padre, o único extremismo legítimo é a misericórdia. "Qualquer outra forma de extremismo não vem de Deus e nem agrada a Ele." Cristãos perseguidos A presença de Francisco foi acompanhada de um forte esquema de segurança, com helicópteros sobrevoando a arena, enquanto milhares de guardas se posicionaram nas ruas fechadas que levavam para fora da cidade até o estádio. Também na entrada do local da missa houve forte controle. Muitos visitantes tiveram de entregar seus celulares. Ainda que estivessem sendo esperadas 10 mil pessoas a mais, a atmosfera durante a missa foi leve e festiva. Pessoas agitavam bandeiras do Egito, enquanto a música ecoava dos altos falantes no estádio. "A visita de Francisco é muito importante, principalmente nestes tempos de terrorismo. Não somente para os cristãos, mas para todos os egípcios", disse uma visitante. Ao iniciar sua visita, Francisco apelou pela harmonia entre cristãos e muçulmanos e criticou a violência em nome de Deus. Junto ao papa Tawadros 2°, chefe da Igreja Ortodoxa Copta, Francisco visitou a Igreja de São Pedro e São Paulo, onde em dezembro do ano passado 29 pessoas morreram vítimas de um ataque suicida. O "Estado Islâmico" (EI) assumiu a autoria do atentado. Durante a visita à igreja, Francisco falou: "A dor de vocês é a nossa dor." No Egito, a maior parte da população é muçulmana, os cristãos perfazem cerca de 10%, em sua maioria, coptas. O número de católicos no país é estimado em 270 mil. Ali, pessoas de fé cristã estão se tornando cada vez mais alvos de atentados. Apenas três semanas atrás, 40 pessoas morreram num atentado a duas igrejas coptas no norte do Egito. CA/dpa/afp/kna/epd/dw

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos