Rivais estendem apoio a sauditas após atentado em Meca

Apesar de tensões com Riad, Irã, Catar e Hisbolá condenam ataque suicida e se comprometem a colaborar no combate ao terrorismo. Bomba aparentemente se destinava à Grande Mesquita, local mais sagrado de Meca.Após o atentado a bomba desta sexta-feira (23/06) em Meca, o Irã e o Catar, ambos rivais regionais da Arábia Saudita, e o movimento Hisbolá condenaram o ocorrido e se comprometeram a apoiar Riad. As autoridades locais partem do princípio que o ataque visava originalmente a Grande Mesquita, local mais sagrado da cidade, ao fim do mês de jejum Ramadã, que este ano atraiu mais de 1 milhão de fiéis ao local. Após tiroteio com a polícia num edifício de três andares, o terrorista detonou os explosivos que portava. O consequente desabamento feriu 11 pessoas, inclusive seis peregrinos estrangeiros, além de causar lesões leves em cinco membros das forças de segurança estatais e de esmagar um carro estacionado. O Ministério do Interior saudita informou ter preso cinco suspeitos. Segundo o órgão, o "plano frustrado" teria "violado todas as santidades, ao atingir a segurança da Grande Mesquita, o local mais sagrado da Terra". Os conspiradores teriam "obedecido a seus malignos e corruptos esquemas egoístas, geridos a partir do exterior, cuja meta é abalar a segurança e estabilidade deste sagrado país". Desde o fim de 2014 o reino árabe tem sido vítima de diversas explosões e tiroteios reivindicado pela organização jihadista "Estado Islâmico". Solidariedade de três adversários O Hisbolá, classificado como organização terrorista pelo governo saudita e diversas nações ocidentais, declarou que mirar a Grande Mesquita mostra como a ideologia dos extremistas não respeita nem os locais santos. O grupo militante e partido político sediado no Líbano urgiu os líderes muçulmanos a se oporem a tais ideologias. Após anos de tensões bilaterais crescentes, no início de junho Riad cortou as relações diplomáticas com Catar, acusando-o de apoiar "grupos terroristas" na região. Há apenas dois dias o grupo de países encabeçado pelos sauditas, reunindo Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein, exigiu que o Catar fechasse sua emissora internacional, a Al Jazeera. Apesar disso, o Ministério do Exterior em Doha expressou neste sábado "solidariedade como o reino-irmão da Arábia Saudita". O Irã xiita e os sauditas sunitas, por sua vez, vêm lutando há anos pela supremacia no Golfo Pérsico, em sangrentas batalhas e guerras por procuração, tendo cortado relações diplomáticas desde janeiro de 2016. A crise entre iranianos e sauditas se agravou desde o fim de maio, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou o isolamento de Teerã durante visita a Riad. O fato não impediu o porta-voz do Ministério do Exterior iraniano de, referindo-se ao atentado suicida em Meca, anunciar a "prontidão de sua nação para assistir e cooperar com outros países no confronto a esses criminosos, que negociam com a morte e, de forma ignorante, espalham o medo". AV/rtr,afp.ap,dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos