Turquia prende dezenas por "propaganda terrorista"

Autoridades detêm quase uma centenas de críticos de campanha militar turca contra milícias curdas na Síria. Erdogan pede unidade em meio à ofensiva e afirma que quem participar de protestos pagará "alto preço$escape.getQuote().Forças de segurança turcas prenderam quase uma centena de pessoas nesta terça-feira (23/01), em diversas partes do país, sob acusação de disseminar propaganda terrorista nas redes sociais em postagens críticas à ofensiva militar do país contra milícias curdas na região de Afrin, na Síria.

Leia também: Aliados da Otan em lados opostos na Síria

Foram detidas 91 pessoas em 13 províncias, incluindo políticos da legenda opositora pró-curda Partido Democrático do Povo (HDP). Um porta-voz do HDP disse que as prisões ocorreram nas sedes do partido na província de Siit, em Ancara e em Esmirna, no oeste do país. Um mandado de prisão foi emitido contra o vice-presidente do HDP, Nadir Yildirim, alvo de investigações após criticar a ofensiva militar em Afrin.

O jornal turco Cumhuriyet denunciou a prisão de ao menos cinco jornalistas desde a segunda-feira na capital Ancara e nas províncias de Diyarbakir e Van, por criticarem a operação militar nas redes sociais.

Ancara realiza uma campanha militar contra posições da milícia curdo-síria Unidades de Proteção do Povo (YPG) no enclave curdo na região de Afrin, no noroeste da Síria. O YPG é acusado de associação com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), banido pelo governo turco por ser considerado uma organização terrorista.

Emma Sinclair-Webb, especialista em Turquia da organização Human Rights Watch, denunciou a prisão da ativista curda Nurcan Baysal, afirmado que o governo silencia "aqueles que levantam sua voz contra a guerra". Ela acusa o governo turco de violar o direito internacional.

Ancara reforçou suas medidas repressivas após a fracassada tentativa de golpe de Estado na Turquia em julho de 2016. Desde então, mais de 50 mil pessoas foram presas, e 150 mil, demitidas ou afastadas de seus trabalhos. O governo justifica as medidas alegando ameaças à segurança interna.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu unidade do país em meio à operação em Afrin e alertou que aqueles que responderem às convocações de protestos pagariam um "alto preço". Na segunda-feira, as autoridades em Ancara proibiram manifestações, protestos e concertos na cidade enquanto durar a ofensiva.

RC/rtr/afp/dpa

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos