Conselho de Segurança aprova cessar-fogo na Síria

Resolução pede que combates sejam suspensos por 30 dias para atendimento de feridos. Texto original é alterado por exigência da Rússia, uma aliada de Assad. Semana de bombardeios em Ghouta Oriental deixa 500 mortos.O Conselho de Segurança da ONU aprovou neste sábado (24/02), por unanimidade, uma resolução que determina um cessar-fogo humanitário de um mês na Síria. O objetivo é possibilitar o envio de ajuda médica e a retirada de pessoas que necessitem de atendimento em áreas disputadas.

O texto foi aprovado depois de uma semana de intenso bombardeio, pelo regime sírio, sobre a região de Goutha Oriental, um enclave dominado por grupos rebeldes.

Mais de 500 civis, incluindo 127 crianças, foram mortos na região desde que o governo sírio iniciou a ofensiva, no fim de semana passado, afirmou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma ONG baseada em Londres. Ao menos 35 pessoas morreram apenas neste sábado, incluindo oito crianças.

Estimativas afirmam que o número de feridos pode chegar a 2.400. Hospitais estão impossibilitados de prestar atendimento por causa dos bombardeios, afirmou o Observatório.



A votação foi adiada várias vezes por causa da incapacidade de os 15 membros do conselho chegarem a um consenso. A Rússia, uma aliada do regime do presidente Bashar al-Assad, exigiu mudanças no esboço original, elaborado pela Suécia e pelo Kuwait. Países ocidentais acusaram os russos de estarem atrasando a votação para ganhar tempo.

Para ganhar o apoio da Rússia, a Suécia e o Kuwait alteraram o texto original para retirar a exigência de que o cessar-fogo entrasse em vigor 72 horas depois da aprovação da resolução. Também a exigência de envio "imediato" de auxílio foi retirada.

Após intensas negociações, a votação da resolução ocorreu cerca de duas horas depois do inicialmente previsto. "Não é um acordo de paz para a Síria, o texto é puramente humanitário", disse o embaixador da Suécia na ONU, Olof Skoog.

O cessar-fogo não valerá nas áreas em que estão sendo travados combates contra grupos jihadistas, como o "Estado Islâmico".

Segundo diplomatas, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que descreveu Ghouta Oriental como o "inferno na Terra", deve informar o Conselho de Segurança sobre a situação no país passados 15 dias do cessar-fogo.

AS/afp/dpa/lusa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos