Temer põe Jungmann no Ministério da Segurança

Sem opções, governo decide colocar à frente da nova pasta ex-chefe do Ministério da Defesa, que agora será comandado, pela primeira vez na história, por um militar de carreira.O governo Michel Temer anunciou nesta segunda-feira (26/02) o nome do atual ministro da Defesa, Raul Jungmann, para chefiar o recém-anunciado Ministério da Segurança Pública, pasta que será responsável pelas polícias Federal e Rodoviária, além do Departamento Penitenciário Nacional e da Secretaria de Segurança Pública, atualmente vinculadas ao Ministério da Justiça.

Leia também: "Intervenção atesta falência de instituições"

O Planalto vinha tendo dificuldades para encontrar um nome para o novo ministério, razão pela qual acabou optando por uma solução interna. Jungmann já era cotado para ocupar o posto, uma vez que, como titular da Defesa, conduziu ações referentes à segurança pública em diversos estados brasileiros.



Para comandar o Ministério da Defesa, o governo Temer indicou interinamente o general Joaquim Silva e Luna, atual secretário-geral da pasta. O ministério foi criado por Fernando Henrique em 1999, e nunca havia sido chefiado por um militar.

A decisão de criar o Ministério da Segurança Pública foi anunciada há poucos dias durante uma reunião sobre a intervenção federal no Rio. A nova pasta já vinha sendo discutida dentro do governo nos últimos meses como uma medida para ajudar no combate à violência no país.

Durante o anúncio, Temer afirmou que o órgão seria criado em caráter extraordinário, ou seja, teria um prazo de validade e poderia ser extinto assim que o governo considerar que a crise na segurança pública foi aliviada.

A criação do novo ministério foi definida no domingo durante reunião do presidente com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral), Torquato Jardim (Justiça), Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional), Gustavo Rocha (Direitos Humanos), além de Jungmann e do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo na Câmara.

O nome do general Sérgio Etchegoyen teria sido avaliado para a nova pasta, mas acabou sendo descartado por ele ser militar. Após a decisão de designar um general como interventor no Rio de Janeiro, o Planalto temia que a indicação de outro membro das Forças Armadas para um cargo no alto escalão do governo poderia ser mal recebida.

Após a criação do Ministério dos Direitos Humanos e a restituição da Secretaria Geral da Presidência da República, há pouco mais de um ano, o número de ministérios do governo federal passa a ser de 29.

RC/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos