Topo

A ascensão dos verdes na Alemanha

26/05/2019 17h10

O expressivo resultado do Partido Verde marcou as eleições europeias na Alemanha. Com papel-chave dos jovens, a legenda ambientalista dobrou seu apoio e desponta como a segunda força alemã no Parlamento Europeu.As eleições europeias, que se encerram neste domingo (26/05) após quatro dias de votação no continente, foram marcadas pela ascensão do Partido Verde na Alemanha e uma queda drástica no apoio aos partidos que formam a coalizão de governo da chanceler federal, Angela Merkel.

As projeções apontam 21% dos votos para os verdes, que despontam em segundo lugar no país. O resultado representa o dobro do apoio obtido nas eleições de cinco anos atrás e é o maior alcançado pela legenda numa votação em nível nacional.

A eurodeputada alemã Ska Keller, membro da Aliança '90/Os Verdes, parte do Partido Verde Europeu, comemorou a cifra neste domingo. "É uma grande celebração, mas é também uma grande responsabilidade. É uma grande tarefa colocar em ação aquilo que as pessoas nos pedem: proteção climática, justiça social na Europa e a luta por liberdades civis em todo lugar."

A ascensão dos verdes foi uma tendência observada também em outros países europeus. Na França, as projeções apontam mais de 12% dos votos para o Partido Verde, bem acima dos 8,9% obtidos em 2014. Na Áustria, Irlanda e Holanda, eles devem obter mais de 10%. Ao todo, os verdes em toda a União Europeia podem ocupar até 70 assentos no Parlamento de 751 lugares.

O resultado favorável para os ambientalistas coincide com a onda de protestos de adolescentes e estudantes na Alemanha e em outros países em prol de uma política climática mais responsável.

Os jovens tiveram, de fato, um papel-chave no resultado histórico do Partido Verde: 33% dos alemães abaixo dos 30 anos votaram na legenda. Neste grupo, o partido de Merkel, a União Democrata Cristã (CDU), obteve apenas 13% dos votos, e a legenda populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), só 6%.

Num contexto geral, a CDU de Merkel, que vem caindo em popularidade na Alemanha, perdeu drasticamente seu apoio nestas eleições, embora continue sendo o partido mais forte: as projeções apontam 29% dos votos para a legenda e para sua sigla irmã, a União Social Cristã (CSU).

Já o Partido Social-Democrata (SPD), que integra a coalizão de governo ao lado da CDU/CSU, caiu para terceiro lugar na Alemanha, com menos de 16%, segundo as projeções.

O eleitorado foi duro com a coalizão governista, que nunca se saiu tão mal nas eleições europeias. Em comparação com o pleito de 2014, o SPD caiu cerca de 11 pontos percentuais, enquanto a CDU/CSU perdeu pouco menos de sete pontos.

Os populistas da AfD, por sua vez, não tiveram resultado muito diferente do de cinco anos atrás, alcançando cerca de 11% dos votos, segundo as projeções. A cifra, porém, fica abaixo do que eles obtiveram nas eleições nacionais de 2017 (12,6%). Já A Esquerda e o Partido Liberal Democrático (FDP), tiveram cerca de 5,5% cada um.

Neste ano, muitos alemães foram às urnas. A participação do eleitorado foi de 61,5% na Alemanha, um percentual bem acima do registrado no último pleito, quando foi de 48,1%.

Em toda a Europa, o comparecimento foi de 51% em 27 nações. O porta-voz do Parlamento Europeu Jaume Duch Guillot afirmou que a cifra, que exclui o Reino Unido, é a maior em pelo menos 20 anos e inverte anos de declínio constante.

Os quatro dias de votação terminam neste domingo, e 426 milhões de pessoas em 28 Estados-membros foram convocados para escolher quem vai compor o Parlamento Europeu, formado por 751 deputados.

EK/afp/ap/dpa/rtr

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Mais Notícias