PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

China quer punir pais de crianças mal-educadas

Congresso Nacional chinês analisa legislação para punir pais cujos filhos exibirem "comportamento muito ruim" ou cometerem crimes - Michael Salinger/ Pixabay
Congresso Nacional chinês analisa legislação para punir pais cujos filhos exibirem "comportamento muito ruim" ou cometerem crimes Imagem: Michael Salinger/ Pixabay

19/10/2021 07h57Atualizada em 19/10/2021 15h20

Um projeto de lei para "promoção da educação da família na China", que será examinado nesta semana pelo Congresso Nacional do Povo, prevê que os responsáveis serão repreendidos e obrigados a passar por programas de educação familiar se for detectado um "comportamento muito ruim" ou criminoso em crianças sob seus cuidados.

"Há muitas razões para os adolescentes se comportarem mal, e a falta de educação familiar, ou a educação inadequada, é a principal causa", disse Zang Tiewei, porta-voz da Comissão de Assuntos Legislativos do Congresso Nacional do Povo.

O projeto de lei de promoção da educação familiar também pede aos pais que arrumem tempo para seus filhos descansarem, brincarem e se exercitarem.

A medida faz parte de uma série de iniciativas de Pequim, que incluem desde combater o vício dos jovens por jogos online, considerados uma forma de "ópio espiritual", até reprimir a adoração "cega" de celebridades da internet.

Nos últimos meses, o ministério da Educação da China já havia limitado o tempo em que menores podem jogar onlinepara uma hora apenas às sextas, sábados e domingos.

Preocupado em não sobrecarregar as crianças, o ministério também reduziu os deveres de casa e proibiu o reforço escolar extracurricular nos fins de semana e feriados.

Ao mesmo tempo, a China está exortando os jovens chineses a serem menos "femininos" e mais "masculinos". Em sua Proposta para Prevenir a Feminização de Adolescentes do Sexo Masculino, divulgada no final do ano passado, o Ministério da Educação instou as escolas a promover esportes que "cultivam a masculinidade", como o futebol.

Internacional