Empossado presidente, Milei promete ajuste duro na Argentina

Empossado presidente, Milei promete ajuste duro na Argentina - Populista de direita discursou na escadaria do Parlamento diante de apoiadores e prometeu reconstruir país endividado e com uma inflação que chegará aos 250% no final do ano.Novo presidente eleito da Argentina, o populista de direita Javier Milei, 53, tomou posse do cargo em cerimônia realizada na manhã deste domingo (10/12) na Câmara dos Deputados, em Buenos Aires, após receber a faixa e o bastão presidencial das mãos de seu antecessor, o peronista Alberto Fernández.

Ao discursar na escadaria do Parlamento diante do público que o acompanhava do lado de fora, Milei – o 12º presidente eleito em 40 anos de democracia ininterruptos – prometeu começar a reconstruir o país, mergulhado em uma crise econômica crônica, com uma inflação que deve chegar a 250% até o final do ano, e 40% da população vivendo na pobreza.

A escolha de Milei pelo discurso na escadaria do Parlamento marca uma cisão na história da democracia argentina, ao mesmo tempo em que é coerente com a retórica antipolítica do autointitulado "anarcocapitalista" que diz querer falar com o povo e não "com a casta" – ou seja, com os legisladores eleitos para representar esse mesmo povo, e de cujo apoio ele depende para governar.

Ainda assim, tranquilizou seus colegas de classe ao afirmar que seu governo não será "um projeto de poder, mas sim um projeto de país". "Não viemos para nos vingar. Receberemos de braços abertos todos que queiram se somar à nova Argentina."

O ex-presidente Jair Bolsonaro compareceu à cerimônia, ao lado de líderes em exercício como o chileno Gabriel Boric, o uruguaio Luis Lacalle Pou, o paraguaio Santiago Peña, o ucraniano Volodimir Zelenski e o ultradireitista húngaro Viktor Órban.

Já o Brasil, pela primeira vez nos 40 anos de democracia argentina desde o fim da ditadura militar, não foi representado na posse pelo seu presidente, mas sim pelo ministro das Relações Exteriores Mauro Vieira, num claro sinal de esfriamento das relações bilaterais – os ataques de Milei ao Mercosul e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixaram o governo brasileiro ressabiado.

Bolsonaro, que chegou a Buenos Aires acompanhado por uma comitiva de 50 pessoas, foi recebido no dia anterior pessoalmente por Milei e membros do seu gabinete de governo.

Assim como Lula, o colombiano Gustavo Petro e o boliviano Luis Arce também não compareceram pessoalmente à posse.

Após discursar na escadaria do Parlamento, Milei quebrou o protocolo e desceu do conversível que o levaria à catedral da cidade para percorrer parte do caminho a pé, saudando apoiadores no caminho. Depois de participar de uma missa,

Continua após a publicidade

De lá, segue em carro conversível à catedral da cidade, onde participa de uma missa às 13h. Após juramento e um coquetel para convidados, na Casa Rosada, o encerramento da posse deve ocorrer no Teatro Colón. No local, Javier Milei e seus convidados acompanharão uma apresentação artística.

Quem é Javier Milei

Milei ascendeu ao mais alto cargo do país com uma maioria de 55,69% dos votos, surfando no descontentamento dos argentinos com um sistema político incapaz de remediar uma economia em frangalhos, após uma breve carreira como deputado eleito em 2021.

Ele foi regularmente comparado durante a campanha ao americano Donald Trump e ao brasileiro Jair Bolsonaro, políticos de ultradireita que viraram o mundo político do avesso em seus países, mas acabou moderando o tom após uma campanha marcada por excentricidades, como quando brandiu uma motoserra e puxou coros de xingamentos contra adversários.

Além da reforma do setor financeiro, Milei quer flexibilizar o acesso a armas e privatizar os sistemas de educação e de saúde.

Ao longo dos quatro anos de mandato, terá como desafio lidar com o alto endividamento da economia argentina perante o Fundo Monetário Internacional (FMI), a desvalorização do peso perante o dólar e um Congresso fragmentado.

Continua após a publicidade

Ao discursar neste domingo, ele prometeu um ajuste fiscal maciço sobre os gastos públicos e alívio para o setor privado, argumento que o "gasto público só beneficia os políticos".

Ex-músico de uma banda de rock, ex-jogador de futebol na juventude, economista de formação, Milei começou a ganhar tração no espaço público em 2016, como comentarista de televisão e defensor de princípios "libertários".

Ele defende o porte de armas de fogo, é contra o aborto e a educação sexual nas escolas e considera as mudanças climáticas "uma farsa". Ele também se associou com apologistas da última ditadura do país (1976-1983). Sua vice é Victoria Villarruel, que tem histórico de questionar os sangrentos crimes cometidos pelos militares. Durante a campanha, tal como o americano Donald Trump e Bolsonaro, também denunciou sem provas que o pleito corria o risco de ser "fraudado".

ra (epd, EFE, ots)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora